Descrição de chapéu Eleições 2018

Alckmin e Ciro são os presidenciáveis que mais viajam pelo país

A um mês da eleição, tucano e pedetista estiveram em mais estados nas últimas três semanas

O presidenciável Geraldo Alckmin, em Alter do Chão (PA), em agosto
O presidenciável Geraldo Alckmin, em Alter do Chão (PA), em agosto - Ciete Silvério - 19.ago.18/Divulgação
São Paulo e Brasília

A um mês do primeiro turno da eleição, o tucano Geraldo Alckmin e o pedetista Ciro Gomes são o presidenciáveis que mais têm percorrido o país em campanha. Foram 11 estados rodados por Alckmin, além do DF, incluindo viagens a localidades no interior do Pará, do Tocantins, Ceará e Minas.

Ciro esteve em 12 estados e no DF, mas foi a menos cidades do que o tucano.

Em três semanas de campanha, o roteiro das viagens dos cinco principais candidatos, contando com o vice petista, Fernando Haddad, indica uma priorização do Nordeste, onde está o principal espólio eleitoral do ex-presidente Lula, que está impedido de concorrer por causa da Lei da Ficha Limpa.

Fortaleza, por exemplo, é uma das poucas capitais que já teve eventos de campanha de quatro dos principais candidatos a presidente.

Haddad esteve em 12 estados, mas se concentrou no Nordeste --visitou 8 dos 9 estados. 

Ciro também começou uma série de visitas à região --só nesta quinta (6) tinha agendas em Sergipe, Pernambuco e Rio Grande do Norte.

Jair Bolsonaro (PSL), que fez giros pelo interior de São Paulo e só organizou uma viagem mais longa, ao Norte do país, também se preparava para intensificar os compromissos no Nordeste. Ele está hospitalizado após ter sido alvo de um ataque em visita a Juiz de Fora (MG) nesta quinta.

O Sul vem sendo menos visitado pelos principais presidenciáveis --Haddad esteve no Paraná basicamente para visitar Lula na prisão.

Marina Silva (Rede) vem se dedicando aos maiores centros, como regiões metropolitanas do Rio e de São Paulo.

Até agora os cinco ainda não estiveram em Roraima, Amazonas e Rio Grande do Norte na campanha.

São Paulo e Brasília, que costumam ser os QGs das campanhas, concentram agendas como eventos de entidades e associações setoriais e entrevistas para os meios de comunicação, o que aumenta a frequência de agendas nessas capitais. Uma estratégia comum é produzir eventos em cidades próximas.

Para a coordenação de campanha de Marina, a quantidade de chamados encontros fechados cria um dilema: ela não quer se ausentar dos principais debates nem perder a oportunidade de falar com lideranças empresariais e formadores de opinião, mas também deseja aumentar o volume de atos de rua e encontros com apoiadores.

Na quarta (5), a candidata da Rede desistiu de participar de entrevista fechada em Brasília para fazer agenda aberta no Pará. Também abriu mão de entrevista na segunda (10), quando irá a Salvador.

Ciro, Marina, Bolsonaro e Haddad se deslocam apenas em voos comerciais. O candidato do PSL vinha aproveitado a chegada nos estados para fazer atos nos aeroportos e de lá seguir para carreatas. 

Alckmin tem usado avião particular contratado com a empresa Icon Táxi Aéreo para os deslocamentos do período eleitoral. Procurada, a campanha do PSDB não deu detalhes do contrato e informou que essas informações serão apresentadas à Justiça Eleitoral na prestação de contas.

Até agora, ainda não há no sistema de contas dados dos gastos com transporte desses presidenciáveis.
A tática de Alckmin reflete a necessidade do tucano de se tornar mais conhecido fora de São Paulo. Na pesquisa mais recente Datafolha, era o Nordeste a região em que ele é menos conhecido dos eleitores e tem intenções de voto mais baixas.

Felipe Bächtold, Daniel Carvalho , Joelmir Tavares , Guilherme Seto , Angela Boldrini e Gustavo Uribe

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.