Descrição de chapéu Governo Bolsonaro

Relatório do Coaf também cita ex-servidora de Bolsonaro

Ela foi beneficiária de recursos movimentados por seu pai, ex-assessor de Flávio Bolsonaro

Rio de Janeiro

O relatório do Coaf que cita movimentação financeira atípica de um ex-motorista do senador eleito Flávio Bolsonaro (PSL-RJ) menciona também uma ex-funcionária do presidente eleito Jair Bolsonaro na Câmara dos Deputados.

Nathalia Melo de Queiroz, 29, aparece como uma das beneficiárias de recursos movimentados por Fabrício José Carlos de Queiroz, seu pai e ex-motorista de Flávio Bolsonaro. O caso foi revelado pelo jornal O Estado de S. Paulo.

O ex-assessor parlamentar e policial militar Fabrício José Carlos de Queiroz em foto ao lado de Jair Bolsonaro. A imagem foi publicada no Instagram do ex-auxiliar em 21 de janeiro de 2013
O ex-assessor parlamentar e policial militar Fabrício José Carlos de Queiroz em foto ao lado de Jair Bolsonaro. A imagem foi publicada no perfil do Instagram do ex-auxiliar em 21 de janeiro de 2013 - Reprodução/Instragram

Ela foi funcionária do gabinete de Jair Bolsonaro entre dezembro de 2016 e outubro de 2018. Antes, estava lotada, assim como o pai, no gabinete do deputado Flávio Bolsonaro na Alerj (Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro).

O Ministério Público Federal afirmou, em nota, que a presença dos nomes não significa o cometimento de ato ilícito. O documento integra os anexos do pedido de prisão de dez deputados estaduais na Operação Furna da Onça. A Procuradoria pediu um relatório sobre os funcionários da Alerj com registro de movimentação financeira atípica.

Flávio Bolsonaro e seus ex-assessores não são alvo de investigação. O PT pediu a abertura de inquérito contra o senador eleito.

O relatório identificou que o ex-motorista de Flávio movimentou R$ 1,2 milhão entre janeiro de 2016 e janeiro de 2017. O senador eleito neste ano foi candidato à Prefeitura do Rio de Janeiro em 2016.

Fabrício Queiroz trabalhou no gabinete de Flávio Bolsonaro até outubro —mesma data de saída de Nathalia do gabinete do presidente eleito. Segundo o Coaf, as movimentações financeiras são "incompatíveis com o patrimônio, a atividade econômica ou ocupação profissional" do ex-assessor.

Os registros mostram que Michele Bolsonaro, mulher do presidente eleito, recebeu R$ 24 mil. Não há detalhes sobre o volume dos repasses a Nathalia.

A ex-assessora não se manifestou ainda sobre o caso. O senador eleito Flávio Bolsonaro diz que não tem conhecimento de nada que desabone seu ex-assessor. 

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.