Descrição de chapéu Governo Bolsonaro

Bolsonaro usa símbolo do infinito e 'quebra protocolo' em evento dos 100 dias

Assessoria da Presidência disse que a identidade visual 'remete ao conceito de continuidade'

Thais Bilenky
Brasília

O governo de Jair Bolsonaro (PSL) usou o símbolo do infinito no material visual exibido na cerimônia de cem dias de mandato nesta quinta-feira (11).

Os dois dígitos zero que formariam o número 100 foram emendados, formando um oito na horizontal.  Procurada, a assessoria da Presidência disse que "a identidade visual dos 100 dias de governo remete ao conceito de continuidade".

O presidente Jair Bolsonaro e ministros participam de cerimônia de 100 dias de governo no Palácio do Planalto
O presidente Jair Bolsonaro e ministros participam de cerimônia de 100 dias de governo no Palácio do Planalto - Evaristo Sá/AFP

"O símbolo do infinito indica que as ações não se limitam a 100 dias, nem a um tempo determinado. Elas foram pensadas para se perpetuar como uma mudança permanente no país que vai seguir em um ciclo de benefícios constantes para os brasileiros. Atitudes 100% pelo Brasil", afirmou o Planalto, por escrito.

Na cerimônia, depois de um "muito obrigado a todos vocês" genérico, Bolsonaro resolveu citar algumas das autoridades presentes, como é praxe em discursos.

"Como sempre reclamam que eu não leio a nominata, vou quebrar o protocolo meu", disse.

Então ele afagou um aliado constantemente atacado. "Líder do governo na Câmara, meu superior Major Vitor Hugo", disse. O deputado do PSL-GO tem a autoridade contestada por aliados e oposição por falhas na articulação política. 

Ao começar a discursar, Bolsonaro se atrapalhou com o teleprompter e precisou interromper a fala, levantar as mãos e começar de novo, com um tímido sorriso.

 

"Com muita honra estamos aqui neste evento para prestar contas dos primeiros cem dias de governo", introduziu. "Os números... os números... os inúmeros complexos... Calma lá. Os desafios são inúmeros e complexos nesse grandioso Brasil", disse o presidente.

Depois de cinco minutos de microfone, Bolsonaro concluiu como começou. "O meu muito obrigado a todos."

Encerrada a cerimônia, Vitor Hugo comemorou. "Você viu o clima com o presidente", observou. "Não vejo qualquer indício do presidente de quebra de confiança."

Uma das mais paparicadas na plateia era a ministra da Mulher, da Família e dos Direitos Humanos, Damares Alves. A deputada Carla Zambelli (PSL-SP) reuniu colegas como Bia Kicis (PSL-DF) e puxou o coro.

"Um, dois e... Mexeu com a Damares, mexeu comigo", disseram todas para as câmeras. "A esquerda pira com com essa foto", comentou a ministra. "Amo vocês", declarou-se Damares, abraçada pelas deputadas em conjunto.

Depois de dizer que meninas vestem rosa e meninos vestem azul, a ministra apareceu de blazer azul. "Porque menina veste rosa, azul, colorido, veste o que quiser", desdisse.

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.