Descrição de chapéu Governo Bolsonaro

Deputada pede audiência com Moro sobre acesso a dados de Bolsonaro

Segundo Norma Ayub (DEM-ES), seu irmão consultou informações por curiosidade

Gustavo Uribe
Brasília

A deputada federal Norma Ayub (DEM-ES) informou neste sábado (6) que solicitará uma audiência com o ministro da Justiça, Sergio Moro, para esclarecer o acesso de funcionário da Receita Federal a dados pessoais do presidente Jair Bolsonaro.

A Polícia Federal cumpriu mandados de busca e apreensão para apurar a motivação da consulta às informações sigilosas da família do presidente. A Receita Federal, que não informou os nomes dos investigados, disse que "não havia motivação legal" para o acesso.

A deputada federal Norma Ayub, em comissão no Congresso, em 2017
A deputada federal Norma Ayub, em comissão no Congresso, em 2017 - Roque de Sá - 31.out.17/Agência Senado

Nas redes sociais, na sexta-feira (5), Bolsonaro disse que dois funcionários "acessaram ilegalmente" dados sigilosos sobre a sua família. "Procuravam algo para vazar e me incriminar por ocasião da eleição", escreveu. 

Um dos servidores investigados por consultar dado do presidente é Odilon Alves, irmão da parlamentar, que prestou depoimento à Polícia Federal na quinta-feira (4). Segundo ela, houve um "mal-entendido", já que o agente administrativo é eleitor de Bolsonaro.

"Eu estou pedindo uma audiência com o ministro Sergio Moro para explicar o ocorrido. Houve um mal-entendido. Ele é Bolsonaro, minha família é Bolsonaro. Eu fiz campanha para o presidente", disse à Folha.

De acordo com ela, o servidor fez a consulta por curiosidade, uma vez que queria saber a idade do presidente. Ela ressaltou que o depoimento prestado por ele à Polícia Federal foi tranquilo. 

"Ele é uma pessoa tranquila e ingênua. É um homem infantil que gosta do presidente e consultou por curiosidade", disse.

O advogado do servidor, Yamato Ayub, que também é irmão dele, disse que ele acessou apenas informações gerais sobre o presidente, como nome, idade e endereço, não pesquisando dados como despesas ou receitas.

"Foi sem maldade. Não teve quebra de sigilo ou vazamento de informações", afirmou, ressaltando que o acesso ocorreu em 30 de outubro, após o segundo turno.

O secretário especial da Receita Federal, Marcos Cintra, confirmou à Folha que os acessos aos dados foram feitos apenas no fim de outubro.

Caberá à Polícia Federal apurar se as entradas irregulares no sistema tiveram alguma motivação política.

​"A Polícia Federal vai verificar. Nós apenas olhamos o lado funcional", disse o secretário.

Em fevereiro deste ano, a Receita Federal também notificou a Polícia Federal após o vazamento de ações de fiscalização sobre autoridades. 

O pedido foi feito após vir a público a informação de que teria sido aberta investigação sobre o ministro do STF (Supremo Tribunal Federal) Gilmar Mendes e sua esposa, Guiomar Mendes.

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.