Sob pressão, Moro esconde detalhes de agenda em visita aos EUA

Como ministro, ele deveria informar quais são seus compromissos oficiais ao longo de cada dia

Marina Dias
Washington

Pressionado pela crise causada com a divulgação de trocas de mensagens com o procurador Deltan Dallagnon, chefe da força-tarefa da Lava Jato em Curitiba, o ministro Sergio Moro (Justiça) viajou esta semana aos Estados Unidos e não divulgou detalhes de sua agenda pública no país.

Como ministro de Estado, ele deve informar via assessoria ou no site do ministério quais são (com horário e local definidos) seus compromissos oficiais ao longo de cada dia.

Em março, quando viajou a Washington para acompanhar Bolsonaro em visita de Estado, sua agenda foi divulgada com antecedência, inclusive com reunião com a então secretária de Homeland Security, Kirstjen Nielsen, e com o diretor do FBI, Christopher A. Wray.

Quando Moro esteve mais uma vez na capital americana, em abril, os jornalistas também souberam com antecedência sobre seus encontros no FMI.

​Moro chegou aos EUA no sábado (22) e, desde terça-feira (18), a Folha solicita o roteiro da visita do ministro via sua assessoria, porém, sem sucesso.

No início da noite desta segunda-feira (24), o Ministério da Justiça afirmou, em email encaminhado após pedido da reportagem, que Moro visitaria "agências encarregadas da aplicação da lei nos EUA" e que, por questões de segurança, os detalhes só seriam divulgados ao final de cada dia.

Inicialmente, a assessoria havia informado que estava esperando fechar o roteiro completo para passá-lo à imprensa; depois, que não tinha conhecimento da logística do ministro nos EUA e, por fim, alegou segurança.

Moro adiou participação em audiência na Câmara (prevista para quarta-feira, dia 26) em decorrência da viagem oficial aos EUA. Durante a sessão, o ministro daria esclarecimentos sobre os diálogos com os procuradores da força-tarefa da Lava Jato revelados nas últimas semanas pelo site The Intercept Brasil

As mensagens aumentaram a pressão e as suspeitas sobre sua atuação como juiz das investigações do esquema da Petrobras. 

Na semana passada, um texto sobre a missão de Moro nos EUA foi publicado no site ministério. Segundo ele, a viagem tinha "o intuito de reunir experiências e boas práticas para fortalecer operações integradas no Brasil". 

Entre os compromissos, apareciam uma patrulha na fronteira entre EUA e México em El Paso, no Texas, e visitas à Divisão de Operações Especiais da DEA (Drug Enforcement Administration) e ao Centro Internacional de Operações e Inteligência de Anti-Crime Organizada (IOC-2), entre outros.

A versão inicial do texto dizia que os órgãos estão localizados no estado de Virgínia, mas as referências foram suprimidas e já não apareciam no que estava publicado no portal nesta segunda-feira (24).

Ainda estão previstas visitas às secretarias de Narcotráfico e Aplicação da Lei Internacional (INL), Contraterrorismo (S/CT) e ao Departamento do Tesouro Americano, em Washington, mas os horários, datas e pautas das visitas também não foram tornados públicos, nem sob solicitação formal da reportagem.

No fim da manhã desta segunda-feira, a agenda publicada no site do ministério dizia que não havia compromissos programados para Moro durante o dia mas, no fim da tarde, a página aparecia como inexistente.

No início da noite foi adicionada "visita ao Centro de Inteligência de El Paso", que havia acontecido 12h antes, às 8h da manhã. Na agenda de domingo (23), por sua vez, era possível acessar o texto "patrulha à fronteira dos EUA na cidade de El Paso, no Texas".

Folha procurou a assessoria do ministro em Brasília desde terça-feira (18), que informou que agenda estava planejada havia algumas semanas. Desde sexta-feira (21), porém, a reportagem insiste em saber horário e local das visitas nos EUA, mas a equipe do ministro diz não ter detalhes.

Nesta segunda, com Moro no país há pelo menos dois dias, a assessoria disse que não tinha conhecimento da logística de deslocamento do ministro.

Segundo a embaixada do Brasil em Washington, somente os auxiliares de Moro em Brasília poderiam informar a agenda.

Junto com Moro, estão o diretor-geral da Polícia Federal, Maurício Valeixo, o diretor-executivo da Polícia Rodoviária Federal, José Lopes Hott Junior, e o diretor de Investigação e Combate ao Crime Organizado, Igor Romário de Paula.

Procurada, a assessoria da PF diz que a agenda de Valeixo só é divulgada sob orientação do gabinete e que não houve nenhum encaminhamento nesse sentido em relação à viagem aos EUA.

PARA ENTENDER AS CONVERSAS

O que são Desde 9.jun, o site The Intercept Brasil vem divulgando um pacote de conversas envolvendo procuradores da República em Curitiba e Sergio Moro, na época juiz responsável pelos processos da Lava Jato

Período Os diálogos aconteceram desde 2014 pelo aplicativo Telegram

Fonte O site informou que obteve o material de uma fonte anônima, que procurou a reportagem há cerca de um mês. O vazamento, segundo o Intercept, não está ligado ao ataque ao celular de Moro, em 4.jun

Análise A Folha teve acesso ao material e não detectou nenhum indício de que ele possa ter sido adulterado. Os repórteres, por exemplo, encontraram diversas mensagens que eles próprios trocaram com a força-tarefa nos últimos anos

Conteúdo As mensagens indicam troca de colaboração entre Moro e a força-tarefa da Lava Jato. Segundo a lei, o juiz não pode auxiliar ou aconselhar nenhuma das partes do processo

Defesa Moro afirma ser alvo de um ataque hacker que mira as instituições e que tem como objetivo anular condenações por corrupção. O ex-juiz diz ainda não ter como garantir a veracidade das mensagens (mas também não as nega), refuta a possibilidade de ter feito conluio com o Ministério Público e chama a divulgação das mensagens de sensacionalista

Consequências O vazamento pode levar à anulação de condenações proferidas por Moro, caso haja entendimento que ele era suspeito (comprometido com uma das partes). Isso inclui o julgamento do ex-presidente Lula

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.