'Guardião da floresta', líder indígena Guajajara é morto em conflito com madeireiros no Maranhão

Organizações lamentaram o ocorrido e denunciaram violência na região amazônica

Cristina Camargo Rubens Valente
São Paulo e Brasília

O líder indígena Paulo Paulino Guajajara foi morto na sexta-feira (1º ) em um confronto com madeireiros na Terra Indígena Arariboia, na região de Bom Jesus das Selvas, no Maranhão. Ele era integrante de um grupo de agentes florestais indígenas autodenominados "guardiões da floresta"

Indígenas Paulo Paulino (à dir.) e Laércio Guajajara, baleados por invasores da Terra Indígena Arariboia em 01.11.2019, no Maranhão
Indígenas Paulo Paulino (à dir.) e Laércio Guajajara, baleados por invasores da Terra Indígena Arariboia em 01.11.2019, no Maranhão - Scott Wallace

A informação foi confirmada pelo governo do Maranhão, por meio da Secretaria de Estado dos Direitos Humanos e Participação Popular. 

A pasta disse ter recebido a informação de que houve confronto após uma emboscada: cinco homens armados teriam cercado e disparado contra os indígenas.

Além de Paulino, o líder indígena Laércio Souza Silva sofreu ferimentos graves e um madeireiro está desaparecido. A secretaria estadual informou no final da manhã deste sábado (2) que Laércio havia obtido alta hospitalar.

Nas redes sociais, o ministro Sergio Moro (Justiça e Segurança Pública) afirmou que a Polícia Federal "irá apurar o assassinato do líder indígena" e não poupará esforços "para levar os responsáveis por este crime grave à Justiça".

O indigenista Carlos Travassos, que conversou ao telefone com Laércio na madrugada, informou que o indígena lhe relatou que ele e Paulo Paulino foram visitar uma aldeia "e na volta pararam para caçar, levar comida para casa, alimentar os filhos".

"Quando eles chegaram na região conhecida como Cascudo, que é uma antiga casa do Paulo, foram surpreendidos por não indígenas armados. Eles tentaram render os indígenas e acabou ocorrendo um tiroteio. Quem deu os primeiros tiros foram os madeireiros, atiraram na região do pescoço do Paulo, que não se mexeu mais. O Laércio foi baleado nas costas e no braço. Ele conseguiu chegar à aldeia sozinho e foi para Imperatriz [receber atendimento]."

A terra indígena Arariboia é alvo de constantes invasão de madeireiros, o que também ameaça uma etnia de recente contato e outra parte ainda não contatada, dos awá-guajá. Segundo Travassos, as invasões de madeireiros à terra indígena se intensificaram a partir de janeiro deste ano. Em resposta às constantes invasões, os indígenas organizaram um grupo de fiscalização e controle das próprias terras, batizado de "Guardiões da Floresta".

integrante de um grupo de agentes florestais indígenas autodenominados "guardiões da floresta"
Laércio Guajajara (à direita), integrante de um grupo de agentes florestais indígenas autodenominados "guardiões da floresta" - Scott Wallace

Durante a madrugada deste sábado (2), a morte do líder indígena provocou manifestações de organizações não governamentais como o Greenpeace e de lideranças como Sônia Guajajara, coordenadora da Apib (Articulação dos Povos Indígenas do Brasil). 

As terras indígenas do Maranhão sofrem invasões de grileiros e madeireiros há décadas e desde 2012 os chamados "guardiões da floresta" tentam proteger a região por conta própria, expulsando os invasores. O grupo é formado por 180 indígenas e realiza ações noturnas contra madeireiros. 

De acordo com o que foi divulgado até agora, o que aconteceu na sexta-feira foi uma emboscada de madeireiros contra indígenas, provocando um violento conflito. 

"Repudiamos toda a violência gerada pela incapacidade do Estado em cumprir seu dever de proteger este e todos os territórios indígenas do Brasil e exigimos que sejam tomadas imediatas ações para evitar a ocorrência de mais conflitos e mais morte na região", diz nota divulgada pelo Greenpeace.  

A líder Sônia Guajajara, ex-candidata a vice-presidência da República pelo Psol, comunicou a morte de Paulino no final da noite de sexta-feira e pediu um basta ao "genocídio institucionalizado".

"Parem de autorizar o derramamento de sangue de nosso povo", escreveu Sônia nas redes sociais.

O ISA (Instituto Socioambiental) também lamentou a morte de Paulino durante a madrugada.

"Luto na Terra Indígena Arariboia. Toda a força aos guardiões da floresta do povo Guajajara, que protegem a floresta,  seu território e os parentes isolados Awá Guajá", diz nota divulgada pelo Instituto. 

De acordo com informações do ISA, os Guajajara são um dos povos indígenas mais numerosos do Brasil. Vivem em mais de dez terras indígenas na margem oriental da Amazônia, todas localizadas no Maranhão.

Também em nota, César Muñoz, o pesquisador sênior da ONG Humans Right Watch pediu que as "autoridades realizem uma investigação completa e independente sobre o ataque", com punição aos responsáveis, e deem "proteção imediata ao povo Tenetehara".

"O nome de Paulo Paulino Guajajara se soma a uma longa lista de mais de 300 pessoas assassinadas durante a última década no contexto de conflitos pelo uso da terra e de recursos naturais na Amazônia –muitas delas por pessoas envolvidas na extração ilegal de madeira– de acordo com dados compilados pela Comissão Pastoral da Terra (CPT)", diz a nota. 

"O Brasil precisa adotar medidas urgentes contra os madeireiros que intimidam, ameaçam, atacam e até matam aqueles que, como Paulo Paulino e Laércio tentam proteger a floresta, que é patrimônio de todos os brasileiros”.

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.