Morre Ibsen Pinheiro, presidente da Câmara no impeachment de Collor

Ex-deputado do MDB tinha 84 anos e estava internado em hospital de Porto Alegre

São Paulo

Morreu na noite desta sexta-feira (24) o ex-deputado federal Ibsen Pinheiro (MDB-RS), aos 84 anos. Ele estava internado em um hospital em Porto Alegre e sofreu uma parada cardiorrespiratória. 

Segundo a assessoria de imprensa do MDB, o velório será realizado na capital gaúcha neste sábado (25), na sede da Assembleia Legislativa do Rio Grande do Sul, na praça da Matriz, das 9h às 16h. A cerimônia de cremação será restrita aos familiares. 

Deputado por quatro legislaturas, Ibsen presidiu a Câmara durante o processo de impeachment do presidente Fernando Collor, em 1992. Também integrou a Assembleia Constituinte, que redigiu a Constituição de 1988.

O ex-presidente da Câmara Ibsen Pinheiro - Edu Andrade-21.jan.17/Folhapress

Ele mesmo, no entanto, teve o mandato de deputado cassado em 1994 em meio ao escândalo dos Anões do Orçamento, no qual congressistas eram acusados de desviar recursos do Orçamento da União via emendas parlamentares. O STF (Supremo Tribunal Federal) arquivou em 1999, por falta de provas, o processo no qual Ibsen era acusado de enriquecimento ilícito e sonegação fiscal.

Ibsen nasceu em São Borja, no interior do Rio Grande do Sul, em 1935. Foi jornalista esportivo, advogado e procurador de Justiça. Também dirigiu o Internacional.

Na política, começou como vereador de Porto Alegre. Antes de chegar à Câmara, foi deputado na Assembleia gaúcha. Foi ainda presidente do MDB do Rio Grande do Sul.

Ele retornou à política nos anos 2000, como o vereador mais votado de Porto Alegre em 2004 e com um novo mandato de deputado federal na eleição de 2006. Em 2010, anunciou que não tentaria a reeleição.

Nas redes sociais, políticos lamentaram a morte do ex-deputado. O governador gaúcho, Eduardo Leite (PSDB), afirmou que decretará luto oficial de três dias. "Sua trajetória política, marcada pelo diálogo e pelo respeito, deixa grande legado ao Brasil", disse.

Presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (DEM-RJ) afirmou que considerava Ibsen um exemplo. "Tive a oportunidade de conviver e aprender muito com ele. Perdemos um homem público diferenciado", escreveu no Twitter.

Presidente da Câmara, Ibsen Pinheiro discursa durante cerimônia de entrega do pedido de impeachment de Collor, em setembro de 1992 - Lula Marques-1º.set.1992/Folhapress

A ex-senadora pelo Rio Grande do Sul Ana Amélia Lemos (PP) afirmou que Ibsen foi um "político que, como os homens da fronteira gaúcha, tinha a coragem para enfrentar os grandes desafios", em referência ao seu papel no impeachment de Collor.

Já para Osmar Terra, ministro da Cidadania, o ex-deputado era um dos mais brilhantes políticos brasileiros, "com uma enorme capacidade de formulação e de compreensão da política".

Erramos: o texto foi alterado

Versão anterior desta reportagem afirmou que o governador do Rio Grande do Sul, Eduardo Leite (PSDB), é do MDB. O texto foi corrigido.

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.