Descrição de chapéu Coronavírus

Já chega, né? Você conversa hoje, e o camarada muda o discurso, diz Mandetta sobre Bolsonaro

A revista, Mandetta se disse cansado após dois meses de trabalho na tentativa de conter o novo coronavírus

São Paulo | UOL

O ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta, desabafou sobre os desgastes vividos com o presidente Jair Bolsonaro durante o enfrentamento da pandemia do novo coronavírus e admitiu que deixará a pasta.

Mandetta se disse cansado após dois meses de trabalho na tentativa de conter a covid-19. "60 dias tendo de medir palavras. Você conversa hoje, a pessoa entende, diz que concorda, depois muda de ideia e fala tudo diferente. Você vai, conversa, parece que está tudo acertado e, em seguida, o camarada muda o discurso de novo. Já chega, né? Já ajudamos bastante", afirmou.

Questionado sobre a permanência no cargo, o ministro disse que fica "até encontrarem uma pessoa para assumir meu lugar". As declarações foram dadas em entrevista à revista Veja.

Ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta, durante coletiva sobre o novo coronavírus - Ueslei Marcelino - 15.abr.2020/Reuters

Mandetta ainda afirmou que não há chance de ficar no governo. "São 60 dias nessa batalha. Isso cansa", desabafou Mandetta, que negou que esteja indo trabalhar com o governador Ronaldo Caiado em Goiás.

O ministro também disse que não se arrepende de ter entrado no governo Bolsonaro e evitou dar um palpite sobre a nova linha de trabalho de combate à pandemia após sua saída do cargo.

"Não sei, mas acho que o vírus se impõe. A população se impõe. O vírus não negocia com ninguém. Não negociou com o (Donald) Trump, não vai negociar com nenhum governo", disse. Mandetta acrescentou que tem compromisso com o país. "Ninguém vai torcer contra", concluiu.

O secretário de Vigilância em Saúde, Wanderson de Oliveira, justificou nesta quinta-feira (16), em coletiva de imprensa, por que decidiu pedir demissão da pasta. Segundo ele, esse processo vem já há algum tempo e que a mensagem era se preparar para sair junto com o ministro Luiz Henrique Mandetta.

"Estamos cansados. Eu não pedi demissão. A mensagem é: vamos nos preparar para sair junto com o ministro Mandetta. Esse processo vem sendo discutido há algumas semanas. Chega a um ponto em que estamos entendendo que um dos processos está adiantado. O ministro citou o laboratório, a informação. E essa etapa é mais da assistência do que da vigilância. Mas estamos juntos. Não teve um motivo específico. Nós estamos cansados", explicou o secretário.

Também na entrevista coletiva concedida mais cedo no Planalto, Mandetta afirmou que ainda não recomenda o uso da cloroquina no tratamento da covid-19.

O medicamento é amplamente defendido pelo presidente Jair Bolsonaro. O ministro disse que, embora a aplicação da medicação não seja proibida, é necessário avisar o paciente de riscos de arritmia e infarto.

Mandetta afirmou que a pasta está custeando estudos a respeito do uso da cloroquina, mas que fora do ambiente hospitalar, o paciente corre riscos maiores de sofrer com efeitos colaterais que, dentro de uma unidade de saúde, poderiam ser controlados.

"Os que estão internados devem ficar com monitor. Se têm arritmia, suspende (a medicação), mas ele está internado ali dentro. É controlado", observou.

O ministro também criticou o "achismo" ao lidar com o assunto. "O Ministério da Saúde fazer um protocolo e ele, Ministério da Saúde, recomendar uso geral da cloroquina para pessoas fora do ambiente hospitalar, acima de 60, 70, 80 anos, falando que isso vai solucionar o problema... A gente cai numa coisa que Hipócrates falava: Demonstre. Ou se baseia na ciência ou fica no 'eu acho', 'na minha experiencia', 'eu tenho visto muitos casos', 'a impressão que eu tenho'. Em ciência, é a pior evidência", declarou.

Bolsonaro e Mandetta têm protagonizado divergências também em relação ao que fazer para controlar a propagação do coronavírus no Brasil.

Enquanto o presidente é a favor do que chama de "isolamento vertical", no qual apenas as pessoas que fazem parte do grupo de risco da Covid-19 ficam em casa, o ministro vem seguindo as orientações da OMS (Organização Mundial da Saúde) e apoiando as medidas de distanciamento social mais amplas.

No último domingo (12), Mandetta cobrou um discurso unificado do governo durante entrevista ao Fantástico, da TV Globo. "Isso leva para o brasileiro uma dubiedade, ele não sabe se ele escuta o ministro da saúde ou se escuta o presidente da República", afirmou o ministro.

Mandetta também deixou uma indireta a Bolsonaro na entrevista. "Quando você vê pessoas entrando em padarias, em supermercados, fazendo aquelas filas, uma atrás da outra, encostadas, grudadas, pessoas fazendo piqueniques em parques, aglomeradas. Isso é claramente equivocado", afirmou o ministro.

Dias antes, o presidente havia contrariado as medidas de isolamento social ao sair para cumprimentar apoiadores em Brasília. Um dos locais visitados por Bolsonaro foi uma padaria.

Além disso, outra cena que chamou atenção foi quando o presidente, na última sexta-feira (10), esfregou o nariz e deu a mão a uma mulher na sequência, mais um ato que vai contra as recomendações sanitárias em tempos de pandemia.

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.