Descrição de chapéu Eleições 2020

De olho na reeleição, prefeito de Campo Grande tenta manter clã Trad no poder

Primo de Mandetta, Marquinhos Trad é filho de deputado e irmão de ex-prefeito e de deputado federal

Silvia Frias
Campo Grande

Entre os 14 nomes para a Prefeitura de Campo Grande, o prefeito Marquinhos Trad (PSD) tentará a reeleição e assim manter a família no poder da capital de Mato Grosso do Sul. Entre os concorrentes estão deputados, uma chapa indígena e outra com procurador e policial federal.

​A família Trad tem histórico político no estado. O patriarca, Nelson Trad, foi vice-prefeito na década de 1960, deputado estadual e federal entre os anos de 1983 a 2011. Os irmãos de Marquinhos também seguiram carreira: Nelsinho Trad foi prefeito por dois mandatos e atualmente é senador. Fábio Trad é deputado federal. O primo é Luiz Henrique Mandetta, ex-ministro da Saúde.

Marcos Marcello Trad, conhecido como Marquinhos Trad (PSD), disputa a reeleição em Campo Grande - Marquinhos Trad no Twitter

O prefeito ainda conta com o apoio do governador, Reinaldo Azambuja (PSDB). Em 2016, os tucanos perderam a eleição municipal para Trad. Agora, abriram mão de candidato próprio e do cargo de vice, ficando apenas com a chapa proporcional.

"Daremos continuidade a essa gestão para que possamos continuar vendo a capital se desenvolver", discursou Trad na convenção do PSD que confirmou sua candidatura à reeleição em setembro.

Entre os opositores, três são apoiadores de Jair Bolsonaro (sem partido) e vão tentar angariar votos colando suas imagens à do presidente da República.

No grupo está o procurador licenciado Sérgio Harfouche (Avante). Ele foi candidato ao Senado em 2018, mas não foi eleito. Tem como trunfo o vice, o policial federal André Salinero (Avante), o vereador mais votado de Campo Grande em 2016.

Na mesma linha está o deputado estadual João Henrique (PL). Aos 30 anos em 2018, o advogado foi o mais jovem eleito para a Assembleia Legislativa.

O PSL em Mato Grosso do Sul mantém apoio a Bolsonaro, mas o nome que irá disputar a prefeitura da capital do estado ainda é incerto.

O vereador Vinícius Siqueira recorreu à Justiça contra o resultado da convenção partidária, que havia definido o deputado federal Loester Trutis como candidato. No último dia 27, a 44ª Vara Eleitoral atendeu ao recurso de Siqueira. Agora, Trutis recorre.

Dos adversários de Trad, dois já disputaram a prefeitura: o deputado federal Dagoberto Nogueira (PDT) que, em 2004, perdeu a eleição para Nelsinho Trad, e o engenheiro civil e advogado Marcelo Bluma (PV), candidato em 2012 e 2016.

O PT tenta emplacar o deputado estadual Pedro Kemp, que está no quinto mandato na Assembleia Legislativa mas ainda não havia se lançado ao Executivo.

Outros exerceram cargos públicos, concorreram às eleições e não venceram, como o engenheiro civil Marcelo Miglioli, ex-secretário de Infraestrutura de Azambuja e que disputou o Senado. Sem espaço no ninho tucano, filiou-se ao Solidariedade para concorrer à prefeitura.

Na lista de novatos ainda aparecem o empresário Guto Scarpanti (Novo), que chegou a concorrer a deputado estadual; o advogado Esacheu Nascimento (PP), ex-diretor da Santa Casa de Campo Grande e que tentou vaga na Câmara dos Deputados em 2010; e o pecuarista Paulo Matos (PSC), que se arriscou na disputa para vereador em 2004.

Apenas dois partidos lançaram mulheres. O PSOL terá a psicóloga Cris Duarte e a índia terena Val Eloy como vice.

“Vivemos em um estado tradicional, machista, que coloca mulheres para cumprir tabela, viemos para fortalecer o debate da esquerda e o protagonismo feminino”, diz Duarte.

Eloy é fundadora da aldeia urbana Inamati Kaxé (Novo Dia), sendo a segunda mulher cacique em toda a história do povo terena.

O Podemos lançou Sidnéia Tobias, delegada aposentada da Polícia Civil de Mato Grosso do Sul. Foi candidata a deputada estadual em 2018 pelo PDT.

O próximo prefeito de Campo Grande irá arcar com os desafios econômicos em consequência da pandemia da Covid-19 e de queixas recorrentes da população.

Entre as mais frequentes estão a carência de médicos, principalmente pediatras, na rede pública de saúde e o déficit de quase 8.000 vagas em creches e pré-escolas, de acordo com dados da Secretaria Municipal de Educação.

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.