Inteligência artificial deixará ensino mais personalizado no Brasil, diz pesquisa

Estudo do Sesi e Senai projeta que até 30% das escolas adotarão sistemas inteligentes em 2030

Paula Soprana
São Paulo

As escolas brasileiras devem acompanhar as tendências mundiais ligadas à inteligência artificial e adotar sistemas tecnológicos que tornarão o ensino mais personalizado. 

Um estudo elaborado pelo Sesi e pelo Senai projeta que os sistemas tutoriais inteligentes sejam adotados de 11% a 30% nas instituições de ensino brasileiras até 2022.

Sistemas tutoriais inteligentes (ITS, na sigla em inglês) são programas computacionais que independem da intervenção constante do professor. Tratam-se de interfaces que permitem o feedback do aluno, monitoram seu desempenho e explicam as resoluções de problemas.

Alunos na Etec/Etesp do Bom Retiro, que teve o melhor resultado no Enem entre as escolas públicas
Alunos na Etec/Etesp do Bom Retiro, que teve o melhor resultado no Enem entre as escolas públicas - Marcelo Justo/Folhapress

De acordo com o estudo, esse tipo de método tende a personalizar o ensino, pois leva em conta a cognição e a afetividade individual. 

“O aluno pode estar feliz por ter conseguido resolver um problema ou estar cansado, pois não consegue resolver o problema. Os ITS podem decidir, de forma autônoma, qual a melhor estratégia pedagógica para ser utilizada com o aluno, em cada momento”, diz o relatório, elaborado pela professora Rosa Maria Vicari, da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS) .

Até 2050, a difusão desse tipo de tecnologia pode alcançar de 30% a 50% das escolas do Brasil. Segundo o estudo, a falta de percepção de agentes de ensino sobre a vantagem da ferramenta para a aprendizagem será um entrave para a adoção.

O estudo Tendências em Inteligência Artificial na Educação foi produzido a partir da análise da produção científica sobre o tema e do registro de patentes nos Estados Unidos, Europa, Canadá e Brasil nos últimos três anos.

Além de ITS, a pesquisa destaca a ampla adoção (de 31% a 50%) de learning analytics —para a interpretação de dados produzidos por alunos e reunidos a fim de avaliar o progresso acadêmico —e de computação em nuvem, que deve estar presente em até 70% das escolas até 2032.

O relatório elenca 28 tecnologias ligadas à IA que serão tendência nos próximos 15 anos, como fones de ouvido wireless, que permitirão a comunicação de pessoas que não falam a mesma língua, óculos e robótica inteligentes, realidade aumentada e realidade virtual.

Segundo a pesquisadora, cerca de um quarto da produção científica ligada à inteligência artificial nos últimos três anos é aplicada à área de educação.

A pesquisa ouviu especialistas em IA que apontaram ações para estimular o uso de tecnologias pelas instituições brasileiras.

Eles sugeriram medidas como linhas de financiamento, capacitação profissional, implementação de projetos-piloto e fomento a linhas de pesquisa sobre psicologia voltada ao processo de educação. 

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.