Bill Gates diz que seu maior erro foi deixar o Android dominar o mercado

Para cofundador da Microsoft, oportunidade perdida foi de US$ 400 bilhões

São Paulo

Bill Gates, cofundador da Microsoft, disse, em evento da empresa de investimentos Village Global para criadores de negócios, que seu maior erro quando esteve à frente da companhia foi deixar o Google controlar o mercado de sistemas operacionais para smartphones.

Na entrevista, realizada pela fundadora da empresa Eventbrite, Julia Hartz, Gates disse que a Microsoft perdeu a "oportunidade Android", em referência ao sistema da competidora que hoje é adotado na maior parte dos aparelhos.

Ele afirmou que o mercado de plataforma de softwares funciona em modelo no qual o vencedor leva tudo.

No caso, não seria suficiente ter disponíveis metade dos aplicativos para smartphones do mercado em seu sistema operacional. Com essa quantidade, a empresa ainda estaria condenada, disse Gates. 

"O maior erro de todos está nas falhas de gestão nas quais me engajei e que fizeram a Microsoft não ser o que o Android é, ou seja, a plataforma padrão nos aparelhos que não são os da Apple."

Em sua avaliação, vencer nesse mercado teria sido natural para a Microsoft.

Gates disse que a perda desse mercado custou à companhia US$ 400 bilhões (R$ 1,5 trilhão).

O site The Verge, especializado em tecnologia, considerou a declaração de Gates surpreendente, levando em conta que ele havia deixado a presidência-executiva da Microsoft no ano 2000.

O cofundador da Microsoft Bill Gates em evento em Washington - NICHOLAS KAMM - 24.jun.2019/AFP

A derrota da companhia no mercado de smartphones é, em geral, atribuída ao ex-presidente da Microsoft Steve Ballmer, que mostrou pouco entusiasmo ao ver o lançamento do primeiro iPhone, em 2007, devido a falta de teclado do aparelho, que acreditava desencorajar clientes corporativos.

Gates assumiu o papel de principal arquiteto de software da empresa até 2008 e foi presidente do conselho de administração da Microsoft até 2014.

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.