Saltar para o conteúdo principal

Publicidade

Publicidade

 
 
  Siga a Folha de S.Paulo no Twitter
21/03/2006 - 13h58

Presos encerram rebelião em Franco da Rocha; há motins em 3 CDPs

Publicidade

da Folha Online

Terminou por volta das 13h30 desta terça-feira, após quase 18 horas, a rebelião na penitenciária 3 de Franco da Rocha (Grande São Paulo). Os 16 funcionários que eram mantidos reféns foram libertados. Segundo a SAP (Secretaria da Administração Penitenciária), há motins em outras três unidades no Estado.

Em Franco da Rocha, o diretor da penitenciária, Arnaldo Pereira de Souza, e o coordenador substituto das unidades regionais, Aniceto Fernando Lopes, negociaram com os rebelados. A tropa de choque da Polícia Militar foi acionada e ficou posicionada do lado externo da unidade.

Na noite de ontem, a PM (Polícia Militar) informou que um dos reféns foi libertado, com ferimentos leves. Um grupo de presos ameaçado de morte pelos rebelados teria sido transferido na manhã desta terça.

As causas da rebelião ou reivindicações dos presos não foram confirmadas. Segundo a SAP, a penitenciária tem capacidade para 600 presos, mas abriga 1.163 atualmente.

Há suspeitas de que os presos tenham iniciado o tumulto em apoio aos detentos que realizaram uma rebelião em Iperó (120 km a oeste de São Paulo), na segunda-feira (20).

Caio Guatelli/Folha Imagem
Presos rebelados em Franco da Rocha (Grande SP)
Presos rebelados em Franco da Rocha (Grande SP)
Motins

Na manhã desta terça, os presos iniciaram rebeliões no CDP de Mauá (região metropolitana), Mogi das Cruzes (51 km a leste de São Paulo) e de Caiuá (632 km a oeste de São Paulo). Não há confirmação sobre o número de reféns ou reivindicações dos presos.

As três unidades estão superlotadas. O CDP de Mauá tem capacidade para 576 presos, mas abriga 654; em Mogi, 1.177 pessoas dividem o espaço onde deveriam estar apenas 768, e a unidade em Caiuá tem capacidade para 768 presos, mas abriga 849 atualmente.

Iperó

Os presos da penitenciária Odon Ramos Maranhão, em Iperó, também promoveram uma rebelião entre as 11h e as 18h de segunda, aproximadamente. O motim terminou apenas com a entrada da tropa de choque da PM na unidade.

Estavam sendo mantidos reféns 19 agentes penitenciários, um professor e os diretores de educação e segurança e disciplina da unidade. Parte deles sofreu ferimentos leves e precisou ser socorrida. Quinze presos também ficaram feridos e precisam ser socorridos em um hospital da região.

Leia mais
  • Presos promovem rebeliões em quatro unidades no Estado de SP
  • Projeto adapta Lei de Crimes Hediondos
  • STJ analisa pedido de liberdade para acusada de roubar manteiga

    Especial
  • Leia o que já foi publicado sobre rebeliões de presos
  •  

    Publicidade

    Publicidade

    Publicidade


     

    Geladeiras Geladeiras Frost Free, Duplex, a partir de R$ 862,20

    Notebook Notebook Trabalhe, estude, jogue, a partir de R$ 769,00

    Celulares | Tênis | Mais...

    Voltar ao topo da página