Saltar para o conteúdo principal

Publicidade

Publicidade

 
 
  Siga a Folha de S.Paulo no Twitter
25/02/2012 - 08h05

Tese sobre Clarice Lispector ganha primeira edição no Brasil

Publicidade

DE SÃO PAULO

"Como chegar àquilo a que as palavras mal podem dar expressão?" O enigma que (des)norteia a obra de Clarice Lispector (1920-1977) foi levantado pelo professor e crítico português Carlos Mendes de Sousa ao mergulhar nas profundezas da escritora.

Sousa é autor de "Clarice Lispector - Figuras da Escrita", que saiu em 2000, com uma tiragem de 500 exemplares, pela editora da Universidade do Minho, em Portugal, tornou-se objeto de culto entre claricianos e só agora chega ao Brasil, editado pelo IMS (Instituto Moreira Salles).

A informação é da reportagem de Fabio Victor, publicada na edição deste sábado da Folha. A íntegra está disponível para assinantes do jornal e do UOL (empresa controlada pelo Grupo Folha, que edita a Folha).

Tese de doutorado de Sousa no Minho, o trabalho mescla ensaio, crítica e biografia, mas é também uma declaração de encantamento.

Instado a definir sua natureza, o autor afirmou à Folha, por e-mail: "Há uma componente ensaística forte, mas há, na verdade, outros vetores (de investigação, crítica, filologia, elementos da esfera biográfica etc.) e que constituem um desejo de compreensão totalizadora até onde se pode chegar, sabendo que se fica sempre num limiar".

Arquivo Pessoal de Paulo Gurgel Valente
A escritora Clarice Lispector em Washington (EUA), nos anos 1950
A escritora Clarice Lispector em Washington (EUA), nos anos 1950
 

Publicidade

Publicidade

Publicidade


 

Voltar ao topo da página