Saltar para o conteúdo principal

Publicidade

Publicidade

 
 
  Siga a Folha de S.Paulo no Twitter
21/11/2012 - 03h42

Em dez anos, grupos de teatro foram beneficiados por até nove editais

Publicidade

GUSTAVO FIORATTI
DE SÃO PAULO

Cento e vinte companhias foram beneficiadas em uma década de Lei do Fomento, algumas apenas uma vez, como a Circo Navegador, e outras até nove vezes (veja quadro ao lado).

Programa de subsídio ao teatro paulistano dobra orçamento, mas não acompanha a cena local
Programa de fomento ao teatro criou cenário político na periferia
Análise: Lei se firmou como iniciativa de apoio à experimentação

Cada edital chega a ter 150 projetos inscritos, e a disputa --diz Sebastião Milaré, que presidiu oito comissões julgadoras-- cria um ambiente de competição entre as companhias, com frequentes reclamações sobre favoritismo.

É uma impressão compartilhada também por artistas.

"Há forte concorrência. E o fato de ganharmos muitos editais foi tratado como um demérito, como se tivéssemos ganhado ilegitimamente", diz Carlos Francisco, um dos fundadores do Folias, contemplado em nove editais.

O diretor Ruy Filho chegou a postar em seu mural no Faceboook que tem vontade de "olhar nos olhos de cada integrante [da comissão julgadora] por uma ou duas horas em silêncio profundo e dizer: 'agora me conta a verdade'".

Uma das principais críticas de Ruy Filho às escolhas diz respeito a um "direcionamento ideológico" em que são preferidas produções com olhar "assistencialista".

Mas Ruy Filho se refere não só a Lei do Fomento. Hoje, o cenário teatral é beneficiado por editais do Estado, como o Programa de Ação Cultural (Proac), e do Ministério da Cultura, como o edital Miriam Muniz, da Funarte.

Para tirar a prova, a Folha solicitou à Secretaria Municipal de Cultura a lista de comissões dos editais realizados até hoje pelo Fomento. Há rodízio frequente de nomes. A Truks, por exemplo, foi escolhida oito vezes, mas por comissões diferentes.

Milaré relata ainda que o clima de competição afeta as comissões: "Vi discussões violentas de membros defendendo seus pontos de vista", conta o crítico e ensaísta, conhecido por estudos sobre o diretor Antunes Filho.

Ao defender o modelo, Milaré fala sobre "incentivar linguagens não comerciais". O Folias, por exemplo, nunca deixou de procurar patrocínio apesar dos editais.

"Conseguimos receber na nossa sede um gerente de marketing da indústria de automóveis. Ele gostou do trabalho, mas não conseguiu o apoio da empresa", explica Carlos Francisco.

O apoio do setor privado falhou mesmo em peças da companhia aprovadas pela Lei Rouanet, o que permitiria dedução de impostos.

Os mais insistentes podem alcançar êxito. Em 2012, cerca de R$ 42 milhões foram captados por meio da Rouanet por artistas das artes cênicas --dez anos atrás, o setor captou R$ 16 milhões.

Não foram só produções comerciais que conseguiram patrocínio. O grupo Sobrevento, fomentado cinco vezes, captou R$ 96.500 via Lei Rouanet em 2012.

Colaborou MATHEUS MAGENTA

Editoria de Arte/Folhapress
NA PONTA DO LÁPIS Os grupos que mais venceram editais nos dez anos de Lei de Fomento ao Teatro na cidade de São Paulo
NA PONTA DO LÁPIS Os grupos que mais venceram editais nos dez anos de Lei de Fomento ao Teatro na cidade de São Paulo
 

Publicidade

Publicidade

Publicidade


 

Smart TV Smart TV Diversas ofertas a partir de R$ 856,11

Notebook Notebook Trabalhe, estude, jogue, a partir de R$ 769,00

Celulares | Tênis | Mais...

Voltar ao topo da página