Saltar para o conteúdo principal

Publicidade

Publicidade

 
 
  Siga a Folha de S.Paulo no Twitter
07/07/2011 - 09h51

Elza Soares assume a fraqueza do corpo e a força da voz

Publicidade

GABRIELA LONGMAN
ENVIADA ESPECIAL A PARATY

Quase um mês depois de ser operada da coluna, a cantora Elza Soares,74, fez um dos shows de abertura de 9ª Flip (Festa Literária de Paraty).

Para conseguir chegar ao palco, foi carregada por dois homens. A cantora fez sua apresentação sentada, mas não deixou de arrancar aplausos entusiasmados da plateia pela simpatia e pela força da voz.

"Às vezes, é bom lembrar que a gente é gente. Às vezes, a gente sofre da coluna, fica com gripe ou erra a letra", afirmou depois ter dificuldades de enxergar a letra da música que cantava por causa de uma queda de luz.

O show de Elza estava marcado para as 21h30, mas começou com cerca de 40 minutos de atraso. Antes, o professor, ensaísta e músico José Miguel Wisnik dividiu o palco com Celso Sim por uma hora. Elza entrou depois para cantar cerca de sete músicas, entre elas "Flores Horizontais", de Wisnik, baseada em poema de Oswald de Andrade, escritor homenageado pela Flip este ano.

Leticia Moreira/Folhapress
Elza Soares faz show de abertura da 9ª Festa Literária de Paraty um mês após ser operada
Elza Soares faz show de abertura da 9ª Festa Literária de Paraty um mês após ser operada
 

Publicidade

Publicidade

Publicidade


 

Voltar ao topo da página