Saltar para o conteúdo principal

Publicidade

Publicidade

 
 
  Siga a Folha de S.Paulo no Twitter
05/08/2011 - 21h36

Prefeitura de SP fecha Feira da Madrugada no Pari

Publicidade

ANA CAROLINA MORENO
DE SÃO PAULO

A Prefeitura de São Paulo fechou nesta sexta-feira a Feira da Madrugada, que reúne ambulantes no bairro do Pari, na região central da cidade. A operação contou com 600 agentes, entre funcionários municipais --da Guarda Civil Metropolitana e do Gabinete de Gestão Integrada--, Polícia Civil, Polícia Militar, Polícia Federal, Receita Federal e Procon.

De acordo com o secretário municipal de Segurança Urbana, Edsom Ortega, ainda não há estatísticas sobre a operação, que deve durar vários dias e não tem previsão de término.

"Os primeiros dias [de fiscalização] vão nos dar uma sinalização de quantos dias mais levaremos para concluir a primeira etapa", afirmou.

Segundo ele, a feira ficará fechada com escolta policial para controlar a entrada dos comerciantes. Cada loja será fiscalizada. Enquanto isso, os ônibus de varejistas que vêm a São Paulo para fazer compras no bairro serão desviados para o Anhembi e só poderão visitar as lojas do Brás que funcionam em horário regular de comércio.

As lojas serão abertas gradualmente à medida que a fiscalização libere os comerciantes regulares para atuar. A liberação, segundo Ortega, será feita em conjunto com o Grupo Executivo de Coordenação da feira.

ILEGAIS

O secretário estimou que 50% dos 2.897 comércios --segundo contagem feita pela prefeitura-- estão em situação irregular. A operação foi preparada durante dois meses e contou com dezenas de agentes que se trabalharam à paisana para coletar dados sobre os ambulantes.

Entre os problemas apontados estão a venda de produtos de origem desconhecida, a venda de produtos de marca falsificados e a presença de trabalhadores estrangeiros sem documentação.

A operação teve início entre 15h e 16h desta sexta-feira, no horário de fechamento do local. A Feira funciona em um pátio das 2h da madrugada até meados da tarde. Ela migrou para o Pari há cerca de cinco anos. Antes, acontecia na rua 25 de março, também no centro da capital paulista.

Augusto Rossi, que organiza excursões de Santa Catarina para o local, afirmou que os ocupantes do ônibus onde ele estava foram questionados pelos agentes, que buscavam imigrantes ilegais. Ortega negou que tenha impedido os ônibus de deixar o local.

 

Publicidade

Publicidade

Publicidade


 

TV LED TV LED Smart, HDMI, Full HD a partir de R$ 899,90

Geladeira Geladeira Side By Side, Duplex, Frost Free a partir de R$ 849,00

Home Theater | Tênis | Mais...

Voltar ao topo da página