Saltar para o conteúdo principal

Publicidade

Publicidade

 
 
  Siga a Folha de S.Paulo no Twitter
18/11/2012 - 06h00

Análise: Respostas aos protestos na Argentina dizem muito sobre o populismo

Publicidade

FEDERICO FINCHELSTEIN
ESPECIAL PARA A FOLHA

As sucessivas respostas oficiais aos protestos na Argentina dizem muito sobre uma forma de governo que na academia normalmente é descrito como populismo.

Trata-se de um misto de capitalismo de Estado, redistribuição limitada da receita e lideranças verticais que tendem a inutilizar, na prática, as formas institucionais de representação democrática.

O populismo governa como se existisse um vínculo direto -na realidade, ideológico e inventado- entre o líder e seu povo.

A isso se somam políticas maciças de comunicação eletrônica e televisiva. Pensamentos e digressões sacralizadores são equiparados visualmente com efígies e mitos do passado.

Por exemplo, a imagem icônica de Evita sempre aparece atrás do rosto da presidente Cristina Fernández de Kirchner, reafirmando um vínculo carismático com um passado mítico que supostamente representa todos os cidadãos.

O líder representa o povo e a nação, aqueles que se opõem a ele representam interesses estrangeiros ou lhes falta consciência de argentinos -ou seja, têm uma imagem distorcida de seu próprio país, como afirmou a presidente Cristina Kirchner um dia após os protestos.

Estas noções não são exclusivas do governo nacional -de modo geral, a oposição partidária também é afetada pelas fantasias da lógica amigo-inimigo do povo.

O prefeito de Buenos Aires, Mauricio Macri, afirmou que o povo em seu conjunto se manifestou nos protestos de 8 de novembro.

Isso é realmente novo? A história do peronismo, e de modo mais geral do populismo latino-americano (do peronismo ao chavismo), possibilita pensar em continuidades, repetições e rupturas. Em 1945-46, Juan Perón, coronel de uma ditadura em queda livre, usou esses argumentos para ganhar eleições.

Ontem e hoje, o populismo não propõe a ditadura. Defende a democracia, mas a esvazia de conteúdos.

Minimiza as dimensões institucionais e estabelece uma identificação absoluta entre Estado, governo e crentes seguidores.

Há a expressão da soberania da vontade da maioria, mas o pluralismo escasseia.

Dentro desse quadro, ressurge a equiparação discursiva entre líder e deus, tão frequentemente utilizada por Perón para explicar sua liderança.

O ressurgimento da linguagem religiosa (Cristina Kirchner disse recentemente que é preciso temer a Deus e também a ela), tão típico do populismo clássico, não ajuda a estabelecer perspectivas reflexivas para se pensar a política moderna e secular.

Quando os cidadãos dissidentes são definidos "a priori" como argentinos com mentalidade de traidores, inibe-se a possibilidade de negociação, o intercâmbio de ideia e a deliberação democrática.


FREDERICO FINCHELSTEIN é professor de história na New School for Social Research e Lang College


Tradução de CLARA ALLAIN

 

Publicidade

Publicidade

Publicidade


 

Fogão Fogão De diversas marcas a partir de R$ 358,20

Notebook Notebook Windows 8, LED, Intel" Core a partir de R$ 799,00

Home Theater | Tênis | Mais...

Voltar ao topo da página