Saltar para o conteúdo principal

Publicidade

Publicidade

 
 
  Siga a Folha de S.Paulo no Twitter
26/11/2010 - 12h42

EUA alertam aliados sobre novos vazamentos do WikiLeaks

Publicidade

DAS AGÊNCIAS DE NOTÍCIAS

Os Estados Unidos alertaram Reino Unido, Austrália, Canadá, Dinamarca, Noruega e Israel a respeito do provável teor de documentos diplomáticos norte-americanos sigilosos que devem ser divulgados nos próximos dias pelo WikiLeaks, segundo disse o próprio site.

Acompanhe a Folha no Twitter
Conheça a página da Folha no Facebook

O novo lote de documentos, referentes a um período entre 2006 e 2009, deve incluir milhares de comunicações diplomáticas citando suspeitas de corrupção na Rússia, Afeganistão e outros países da Ásia Central. As revelações podem causar constrangimentos para os EUA junto a outros governos.

O Departamento de Estado havia admitido na quarta-feira (24) que estava em contato com outras capitais para alertar sobre os possíveis documentos.

O WikiLeaks diz que o próximo lote de documentos será sete vezes maior do que o pacote anterior, divulgado em outubro, com 400 mil relatórios do Pentágono sobre a guerra do Iraque.

O jornal londrino "Al Hayat" disse que um dos documentos a serem revelados mostra que a Turquia ajudou a rede terrorista Al Qaeda no Iraque. Já o americano "Washington Post" antecipou a revelação de que os EUA ajudaram o PKK, grupo separatista curdo que luta contra o governo turco desde 1984.

O jornal israelense "Haaretz "afirmou que a embaixada dos EUA em Tel Aviv também fez alertas ao governo de Israel sobre o conteúdo de alguns documentos em poder do WikiLeaks.

Uma fonte americana afirmou à rede de TV americana CNN que Washington ordenou a suas embaixadas no mundo todo que revisem as mensagens enviadas entre 2006 e 2009.

Segundo um alto funcionário, que falou em condição de anonimato, o Departamento de Estado trabalha intensamente há meses para tratar o potencial impacto da publicação destes documentos. A franqueza nestes relatórios diplomáticos, afirma, é fundamental e o vazamento pode causar muitos prejuízos, além de comprometer as fontes diplomáticas tradicionais, e, em alguns casos, gerar risco de morte.

Oficialmente, o porta-voz do Departamento de Estado, Phillip Crowley, diz que o governo dos EUA está em contato com outros governos e notificou o Congresso do que poderia ser publicado.

Os EUA criticam o WikiLeaks pelos vazamentos de documentos, alegando que eles colocam em risco a segurança nacional e de indivíduos.

IRAQUE

O embaixador americano no Iraque, James Jeffrey, afirmou que o Wikileaks é um obstáculo terrível para a diplomacia no Iraque e por isso a missão americana em Bagdá está muito preocupada com a próxima postagem de documentos secretos.

"Estamos preocupados com a publicação de novos documentos. O Wikileaks é um obstáculo absolutamente terrível em meu trabalho, que consiste em ter conversas com pessoas baseadas na confiança", afirmou aos jornalistas convidados à embaixada.

O WikiLeaks anunciou no último dia 21 em sua conta da rede social Twitter que "no próximo mês veremos um novo mundo no qual a história global é redefinida" e que "a próxima publicação será sete vezes maior em tamanho que os materiais do Iraque".

O site revelou, em outubro, 391 mil documentos sobre a Guerra do Iraque que continham várias denúncias de torturas e abusos que os Estados Unidos nunca averiguaram, morte de civis que não foram informadas e a ajuda iraniana a milícias iraquianas. Em julho, o portal publicou 70 mil documentos da guerra do Afeganistão.

 

Publicidade

Publicidade

Publicidade


 

Voltar ao topo da página