Saltar para o conteúdo principal

Publicidade

Publicidade

 
  Siga a Folha de S.Paulo no Twitter
13/12/2010 - 09h52

Lula diz que novo ministro da Saúde terá que negociar recursos com Congresso

Publicidade

SIMONE IGLESIAS
DE BRASÍLIA

Mais uma vez palpitando no governo da presidente eleita, Dilma Rousseff, o presidente Luiz Inácio Lula da Silva disse nesta segunda-feira que quem assumir o ministério da Saúde terá a tarefa de negociar com deputados e senadores a aprovação de mais recursos para a saúde. Lula afirmou que, se não houver mais dinheiro para a área, ela se tornará ingovernável.

"Independentemente de quem venha a ser o ministro da Saúde, sabe que tem a tarefa imensa para organizar deputados e senadores para organizar recursos para a saúde", disse, em discurso no Hospital Sarah.

Lula voltou a criticar o fim da CPMF, chamando a atitude do Congresso de "insanidade" e que a explicação para ter acabado com o imposto foi "ódio, rancor e maldade."

Há duas semanas, o presidente disse que a prioridade do governo Dilma será aprovar o projeto de regulação da mídia.

Presente na cerimônia, o presidente do Senado, José Sarney (PMDB-AP), fez elogios a Lula que, em visita ao Maranhão, na semana passada, defendeu a oligarquia formada pelo senador no Estado.

"Lula da Silva fez um dos maiores governos do Brasil contemporâneo. Mudou a face do Brasil, olhou para o povo brasileiro, tirou mais de 30 milhões da miséria, atendeu a todas as classes. É um dos maiores brasileiros de todos os tempos", discursou Sarney.

Lula ganhou o título de consultor honorário da rede hospitalar Sarah, especializada em reabilitação.

 

Publicidade

Publicidade

Publicidade


 

Voltar ao topo da página