Descrição de chapéu The New York Times

Aquecimento global causa derretimento de geleiras no Himalaia

Estudo revela que as geleiras perderam 45 cm anualmente desde 2000

Somini Sengupta
Nova York | The New York Times

A mudan√ßa clim√°tica est√° ‚Äúcomendo‚ÄĚ as geleiras do Himalaia, o que representa uma grave amea√ßa para centenas de milh√Ķes de pessoas que vivem pr√≥ximo √† regi√£o, mostrou um estudo baseado em 40 anos de dados de sat√©lite.

O estudo, publicado na revista Science Advances na quarta-feira (19), concluiu que as geleiras perderam cerca de 45 cm de gelo todos os anos desde 2000, derretendo a um ritmo muito mais r√°pido do que nos 25 anos anteriores. Nos √ļltimos anos, as geleiras perderam cerca de 8 bilh√Ķes de toneladas de √°gua por ano. Os autores do estudo descreveram como sendo o equivalente √† quantidade de √°gua mantida por 3,2 milh√Ķes de piscinas ol√≠mpicas.

Al√©m disso, o estudo aponta para os perigos do aquecimento global para as montanhas do Himalaia, que s√£o consideradas as torres de √°gua da √Āsia e uma ap√≥lice de seguro contra a seca.

Na foto o rio Dangme atravessa um vale perto de Mongar, no But√£o.
O rio Dangme atravessa um vale perto de Mongar, no But√£o - ADAM DEAN - NYT

Em fevereiro, um relat√≥rio produzido pelo International Center for Integrated Mountain Development (Centro Internacional para o Desenvolvimento Integrado da Montanha) alertou que o Himalaia poderia perder at√© um ter√ßo de gelo at√© o fim do s√©culo, ainda que o mundo cumprisse sua meta mais ambiciosa de manter as temperaturas m√©dias globais subindo apenas 1,5¬įC acima dos n√≠veis pr√©-industriais.

Esse objetivo, que os cientistas identificaram como vital para evitar ondas de calor catastr√≥ficas e outros eventos clim√°ticos extremos, est√° longe de ser atingido. A temperatura m√©dia global subiu 1 grau j√° nos √ļltimos 150 anos. As emiss√Ķes de gases do efeito estufa continuam a subir. E os cientistas estimam que estamos no caminho para elevar a temperatura m√©dia global entre tr√™s e cinco graus at√© o fim deste s√©culo.

Outro estudo, publicado em maio na revista Nature, descobriu que as geleiras do Himalaia est√£o derretendo mais r√°pido no ver√£o do que sendo reabastecidas pela neve durante o inverno. Nas esta√ß√Ķes quentes, a √°gua derretida das montanhas alimenta os rios que fornecem √°gua pot√°vel e irriga√ß√£o para as planta√ß√Ķes.

O recuo das geleiras √© uma das consequ√™ncias mais gritantes do aumento das temperaturas globais. Em todo o mundo, o desaparecimento de geleiras significar√° menos √°gua para pessoas, gado e planta√ß√Ķes.

Nas montanhas do Himalaia, a perda de geleiras apresenta dois grandes riscos. A curto prazo, o derretimento das geleiras deixa para tr√°s detritos de rochas que criam represas, e se essas barragens de detritos se romperem, as inunda√ß√Ķes resultantes podem destruir aldeias pr√≥ximas. A longo prazo, a perda de gelo glacial significa a perda do futuro banco de √°gua da √Āsia ‚ÄĒuma salvaguarda contra per√≠odos de calor extremo e seca. As geleiras recuadas tamb√©m podem amea√ßar os ecossistemas que dependem dessa √°gua, o que, por sua vez, pode afetar as comunidades da regi√£o.

O estudo mais recente, conduzido por pesquisadores do Lamont-Doherty Earth Observatory at Columbia University (Observat√≥rio da Terra Lamont-Doherty da Universidade de Columbia), contou com a an√°lise de imagens de sat√©lite de 650 geleiras ao longo de 2.000 km do Himalaia, incluindo dados recentes de sat√©lites espi√Ķes dos EUA. Os pesquisadores transformaram as imagens em modelos 3D que mostram as mudan√ßas na √°rea e no volume das geleiras.

Eles descobriram que de 1975 a 2000, as geleiras da regi√£o perderam cerca de 25 cm de gelo a cada ano. A partir de 2000, a taxa de perda dobrou. O estudo tamb√©m concluiu que, ainda que a fuligem da queima de combust√≠veis f√≥sseis tenha contribu√≠do para o degelo, o principal fator foi o aquecimento global. Embora as temperaturas tenham variado em toda a vasta cadeia de montanhas, em m√©dia, elas subiram mais r√°pido entre 2000 e 2016 em compara√ß√£o com os anos anteriores.
 

Coment√°rios

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.