Desmatamento da Amazônia em junho é 90% maior do que no mesmo mês de 2018

Dados do Deter, sistema de alertas do Inpe, apontam desmate 769 quilômetros quadrados

São Paulo

O desmatamento na Amazônia no mês de junho foi cerca de 90% maior do que no mesmo mês do ano passado, segundo dados do Deter, sistema de alertas de desmatamento do Inpe (Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais).

No mês de junho, foram desmatados cerca de 932 km², segundo o Deter. Em 2018, o valor era de aproximadamente 488 km².

As taxas apontadas pelo Deter, contudo, são diferentes do nível de desmatamento consolidado publicado anualmente através do Prodes, também do Inpe.

“O Deter é um dado oficial que pega o pulso do desmatamento mensal”, afirma Carlos Souza, da ONG Imazon. Ele explica que, no caso do Prodes, após o calendário do ano de desmatamento levado em consideração —de agosto a julho— ser fechado, as melhores imagens de satélite, com menor interferência de nuvens, são selecionadas e analisadas para se obter dados mais precisos.

Segundo análise ainda em processo dos dados do Deter pela Imazon, de agosto do ano passado até junho deste ano, houve um aumento de desmatamento de cerca de 8%, quando comparado ao mesmo período anterior.

O desmate na Amazônia vem apresentando tendência de crescimento desde 2012, ano no qual alcançou seu menor valor histórico. 

No ano passado (considerando o período entre 2017 e 2018), a destruição da Amazônia atingiu o maior patamar da última década, com 7.900 km² de floresta derrubados. O valor representou crescimento de cerca de 14% em relação ao período anterior (2016-2017).

Souza afirma que é alta a probabilidade de aumento no desmatamento em relação ao período anterior. 

As taxas consolidadas de desmate costumam ser divulgadas pelo Inpe próximo ao fim do ano.
 

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.