'Não julgávamos necessário', diz ministro sobre usar Exército para limpar praias

Fernando Azevedo e Silva, da Defesa, afirmou que imprevisibilidade dificulta o planejamento do trabalho

João Valadares
Recife

O ministro da Defesa, Fernando Azevedo e Silva, declarou na manhã desta terça-feira (22) que o Exército não atuou antes na limpeza das praias atingidas por óleo porque a avaliação era de que não havia necessidade. As manchas, espalhadas por todos os estados do Nordeste, foram avistadas pela primeira vez em 30 de agosto, na Paraíba.

Desde então, 900 toneladas de petróleo foram recolhidas das praias por mutirões que contaram com ajuda de voluntários. 

“Não julgávamos ser necessário, mas, quando foi preciso, nós empregamos o Exército”, disse o ministro.

Questionado durante visita a Pernambuco sobre por que o governo federal ainda não havia se mobilizado efetivamente, Silva afirmou que o esforço é coletivo. “Não é só responsabilidade das Forças Armadas”, disse.

Ele afirmou ainda que existe uma dificuldade muito grande porque não se sabe onde o óleo vai aparecer.

O ministro não soube informar o valor empregado pelo Ministério da Defesa nas ações para minimizar a poluição.

Azevedo e Silva também minimizou a extinção por parte do governo Jair Bolsonaro, em abril, de comitês que integravam o Plano Nacional de Contingência para Incidentes de Poluição por Óleo em Água (PNC).

“Eu acho que se extinguiu um comitê ou outro, não se extinguiu o planejamento como um todo. O plano está em execução”, respondeu.

O ministro da Defesa autorizou o reforço de 5.000 militares da da 10ª Brigada de Infantaria Motorizada, sediada no Recife, nas ações. Já o Ministério do Desenvolvimento Regional comunicou na segunda (21) que vai disponibilizar equipamentos de proteção individual para as pessoas que atuam na limpeza das praias.

Fernando Azevedo e Silva ​falou nesta terça (22) ao lado do governador de Pernambuco, Paulo Câmara (PSB), que, um dia antes, afirmou que havia improviso nas ações federais para tratar o problema.

Em tom mais ameno, o governador agradeceu a ajuda do governo federal, mas não citou o nome do presidente Jair Bolsonaro. Câmara preferiu citar duas vezes o nome do presidente em exercício, Hamilton Mourão. “Fiquei satisfeito com o pronunciamento do presidente em exercício, Mourão, da colocação do Exército e da Aeronáutica para ajudar nesse reforço. Isso para nós é fundamental.”

Mais cedo, em visita relâmpago ao litoral sul de Pernambuco, o ministro do Meio Ambiente, Ricardo Salles, voltou a dizer que o óleo que atinge o Nordeste é venezuelano e afirmou que o governo federal não vai gastar tempo para polemizar ou politizar a questão.

“Nosso trabalho é técnico, nosso trabalho é de dedicação, remoção e identificação do óleo desde o início da crise que afeta todo o Nordeste. Nós não gastamos nem um minuto em polemizar ou politizar esse assunto”, afirmou.

Na segunda (21), o ministro utilizou um vídeo editado para criticar o Grennpeace sobre ausência de voluntários da ONG em ações de limpeza de praias do Nordeste. Ele também já havia discutido em redes sociais com o governador da Bahia, Rui Costa (PT), e com a deputada federal Sâmia Bomfim (PSOL-SP).

Salles desceu de helicóptero na praia de Itapuama, litoral sul do estado. A visita durou aproximadamente dez minutos. “Nós sabemos que o óleo é venezuelano, mas a investigação é no sentido de como esse óleo chegou na costa brasileira”, declarou.

O ministro participou de uma reunião na Capitania dos Portos, no centro da cidade, que durou dez minutos. 

As manchas de óleo voltaram com força a Pernambuco e em Alagoas desde a quarta-feira (16). Na quinta-feira (17), o governo de Pernambuco conseguiu capturar uma tonelada de óleo, em São José da Coroa Grande, litoral sul do estado, antes que ele chegasse à areia da praia.

Na sexta-feira (18), a praia de Carneiros, joia do litoral pernambucano, amanheceu coberta por óleo. Um mutirão, que envolveu mais de 500 pessoas, incluindo donos de pousadas, pescadores e servidores do estado e da prefeitura, removeu o material.

No fim de semana, a mancha avançou ainda mais, e as praias de Serrambi, Toquinho, Pontal de Maracaípe, Cupe, Muro Alto, em Ipojuca, e Itapuama e Suape, no Cabo de Santo Agostinho, acabaram afetadas pelo petróleo.

O óleo invadiu o estuário de quatro rios pernambucanos e o manguezal de Suape. Também chegou às praias de Itapuama e do Paiva, também no Cabo de Santo Agostinho.

A preocupação agora é de que o material chegue à praia de Boa Viagem, no Recife. A prefeitura está mobilizada e planejou uma grande operação para retirada do material. 

Até o momento, foram contaminados 2.250 km da costa litorânea nordestina. O dano pode prejudicar o trabalho de 144 mil pescadores e marisqueiros que sobrevivem do mar e dos rios.
 

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.