Petróleo no Nordeste é mistura de três campos venezuelanos, diz Petrobras

Segundo diretor da estatal, combate é como procurar agulha no palheiro; origem provável é navio

Nicola Pamplona
Rio de Janeiro

As análises feitas pela Petrobras sobre o óleo que chega às praias do Nordeste desde o fim de agosto concluiu que se trata de uma mistura da produção de três campos na Venezuela. A companhia frisou, porém, que investigações apontam como provável origem o derramamento por um navio.

Em entrevista nesta sexta (25), o diretor de Assuntos Corporativos da estatal, Eberaldo de Almeida Neto, disse que a Petrobras comparou o combate ao vazamento a "procurar agulha no palheiro", já que não se sabe a origem do vazamento.

"A gente comparou a análise da origem com mais de 30 amostras e concluiu que ela é de três campos venezuelanos, um blend [mistura] do petróleo de lá", afirmou Eberaldo, durante encontro que detalhou o resultado da companhia no terceiro trimestre.

O governo já havia confirmado que os estudos da Petrobras apontavam a Venezuela como origem do petróleo. Análise feita pela UFBA (Universidade Federal da Bahia) chegou a conclusão semelhante

O diretor da Petrobras disse que o desconhecimento sobre a origem do vazamento dificulta a estratégia de combate, já que só é possível identificar o produto quando ele atinge as praias. A empresa fez sobrevoos no litoral do Nordeste, mas não conseguiu identificar o caminho do óleo.  

Assim, disse o executivo, não é possível instalar barreiras de contenção para evitar que as manchas toquem a costa.

"Quando vaza de uma instalação de produção, a gente detecta a origem e consegue combater mais fácil. Quando não tem o fator de origem, não se sabe como foi e quando foi, é como [procurar] agulha no palheiro."

Embora negue responsabilidade sobre o vazamento, a Petrobras vem apoiando o Ibama (Instituto Brasileiro de Meio Ambiente e Recursos Naturais Renováveis) no trabalho de limpeza das praias, a pedido do governo. Enviou equipamentos ao Nordeste e coordenou equipes na região.

Almeida Neto disse que a empresa será ressarcida pelos custos da operação, mas que o tema só será discutido após o fim da emergência. "[O valor] Está sendo contabilizado em paralelo e assim que terminar o trabalho a gente entra nessa discussão. Nosso foco principal é a limpeza das praias."

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.