Fundador da Amazon é criticado por doação de US$ 690 mil para a Austrália

Jeff Bezos é a pessoa mais rica do mundo

São Paulo

Doar dinheiro para ajudar a conter um desastre é uma ação para qual não cabem questionamentos, certo? Aparentemente, depende de quão rico você é. Quando Jeff Bezos, CEO e fundador da Amazon, anunciou em suas redes sociais que doaria dinheiro para ajudar nos incêndios da Austrália, internautas se mostraram irritados com a quantia a ser doada: 1 milhão de dólares australianos ou US$ 690.600 (pouco mais de R$ 2,8 milhões).

"Nossos sentimentos estão com os todos os australianos que estão lutando contra os incêndios devastadores", diz a postagem de Bezos, que, em seguida, anuncia a doação.

Segundo a lista da Forbes, Bezos é o homem mais rico do mundo atualmente. 

Cálculos feitos pelo site Business Insider dos ganhos anuais de Bezos mostram que o total doado para o desastre australiano é equivalente ao que o empresário ganha em pouco menos de 5 minutos (levando em conta o patrimônio estimado em 2018).

Levando em conta o patrimônio líquido entre outubro de 2019 até a última segunda (13), o valor doado é equivalente ao que o empresário ganha em cerca de 30 minutos, segundo o Business Insider.

No dia 6 de janeiro, a ator Chris Hemsworth, que interpreta Thor nos filmes da Marvel e nasceu na Austrália, anunciou que doará US$ 1 milhão para ajuda nos incêndios.

Segundo a Variety, Elton John foi outro a anunciar, durante um show em Sydney, na Austrália, que doaria US$ 1 milhão.

Por fim, a banda Metallica também prometeu a doação de outros US$ 750.000 para o combate aos incêndios.

O CEO e fundador da Amazon, Jeff Bezos
O CEO e fundador da Amazon, Jeff Bezos - Jim Watson/AFP

A Austrália enfrenta desde o segundo semestre de 2019 intensos incêndios por todo o país. O fogo é um elemento já familiar no país, mas as dimensões dos incêndios atuais não são comuns. Pesquisadores têm associado a atual temporada de fogo no continente australiano às mudanças climáticas.

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.