Siga a folha

Busca pela fé aumenta no mundo virtual e no presencial em São Paulo

Mais fiéis estão frequentando igrejas e templos para rezar e meditar, mostra Datafolha

Continue lendo com acesso ilimitado.
Aproveite esta oferta especial:

1 ANO DE DESCONTO

3 meses por R$1,90

+ 9 de R$ 19,90 R$ 9,90

ASSINE A FOLHA

Cancele quando quiser

Notícias no momento em que acontecem, newsletters exclusivas e mais de 120 colunistas.
Apoie o jornalismo profissional.

Carolina Chagas
Londres

Por 118 anos consecutivos, no primeiro domingo de maio, fiéis das 307 paróquias da Arquidiocese de São Paulo se juntaram aos 920 padres, 108 diáconos, seis bispos e ao arcebispo em exercício e viajaram 170 quilômetros em romaria para Aparecida a fim de agradecer, pedir graças e apresentar intenções à padroeira do país.

Segundo dados da Arquidiocese, cerca de 20 mil pessoas encheram ônibus e carros para rezar no maior santuário mariano do Brasil nos anos de 2018 e 2019. No ano passado e neste 2021, as 119ª e 120ª edições do evento atraíram seis vezes mais fiéis.

Somente o arcebispo de São Paulo, dom Odilo Scherer, seis bispos e dez padres compareceram à basílica em Aparecida. Por causa da pandemia, o evento foi transmitido ao vivo pela TV Aparecida e pôs o canal entre os quatro mais assistidos no horário. Dados da TV apontam que cerca de 120 mil fiéis acompanharam cada uma das missas.

Segundo o coordenador de Pastoral da Arquidiocese de São Paulo, padre Tarcísio Marques Mesquita, a procura por missas aumentou durante a pandemia e 95% das igrejas da capital paulista passaram a transmitir as liturgias online.

“Antes do lockdown, durante a semana tinha apenas uma missa noturna na minha paróquia, no Tatuapé, e agora tenho duas missas todos os dias, sempre transmitidas em nossos canais do Facebook e YouTube”, diz. “Um olhar, uma palavra, um consolo tem feito muita diferença nestes tempos”, afirma o padre.

Quando o fim da pandemia for decretado, ele brinca que deixará suas mãos nos Alcoólicos Anônimos. “Os 12 passos não serão suficientes para acabar com o nível de álcool delas. Cabe aos padres dar o exemplo. Sempre estou de máscara, passo álcool gel com fartura nas mãos várias vezes ao dia e digo aos fiéis: não é banho de gato, tem de limpar bem”, diz.

A pesquisa de hábitos dos paulistanos do Datafolha corrobora o comportamento dos frequentadores das missas virtuais do padre Tarcísio. Dos 815 entrevistados em todas as regiões da capital, 82% afirmaram ter rezado ou meditado durante a pandemia. Destes, 38% disseram pretender aumentar as práticas. Se considerarmos os entrevistados que declararam ter somente o ensino fundamental, o percentual dos que disseram rezar ou meditar na quarentena chega a 90% na última apuração.

O índice também é mais elevado entre as pessoas com renda de mais de 2 a 3 salários mínimos (91%), entre as pessoas com 60 anos ou mais (90%) e entre as mulheres (86%). Na pesquisa de 2020, o resultado dos que disseram rezar e meditar foi de 80%.

Há mais pessoas frequentando igrejas e templos para rezar ou meditar entre os entrevistados de 2021. Em 2020, 38% disseram ter deixado suas casas com esse fim. Na última pesquisa, o índice flutuou para 45% dos entrevistados. Na do ano passado, vale ressaltar, não havia vacina disponível e fazia menos de um mês que a visita a templos e igrejas estava autorizada.

Todas as igrejas evangélicas da cidade de São Paulo adotaram algum tipo de apoio virtual a seus fiéis e até agora 40% deles retornou ao culto presencial. O governo autoriza 60% da ocupação das igrejas. As informações são da União Nacional das Igrejas e Pastores Evangélicos, a Unigrejas, entidade com 50 mil pastores de diferentes denominações evangélicas.

“Desde o início da pandemia adotamos cultos online, serviços de atendimento ao fiel, videoconferências, telefonemas a quem precisa”, diz o bispo Eduardo Bravo, presidente da Unigrejas. “No Brasil, as instituições religiosas estão em lugares aonde o estado não chega”, afirma.

O Centro de Meditação Shambala do Brasil desativou o endereço físico da instituição depois do início da pandemia e as atividades vão permanecer online por tempo indeterminado. Mais do que um aumento de participantes, a recém-empossada diretora da instituição, Paula Gama, notou mais comprometimento e constância nas práticas e estudos de meditação.

“No Shambala falamos em bravura e compaixão. Ou em ser gentis conosco mesmo enfrentando o medo e a incerteza; e estar aberto ao outro sem se deixar derrubar pela tristeza ou pelo sofrimento”, afirma. “Em tempos de inseguranças, perdas reais e emocionais como estes que estamos vivendo, a conexão com o sagrado traz compreensão."

Receba notícias da Folha

Cadastre-se e escolha quais newsletters gostaria de receber

Ativar newsletters

Relacionadas