Siga a folha

Descrição de chapéu
Televisão Maratona

Sabrina Sato e litros de sangue não salvam 'Reality Z' da chatice

Série atinge pequenos sustos e breves momentos de tensão, sobretudo com o comportamento burro dos personagens

Continue lendo com acesso ilimitado.
Aproveite esta oferta especial:

1 ANO DE DESCONTO

3 meses por R$1,90

+ 9 de R$ 19,90 R$ 9,90

ASSINE A FOLHA

Cancele quando quiser

Notícias no momento em que acontecem, newsletters exclusivas e mais de 120 colunistas.
Apoie o jornalismo profissional.

Reality Z

Avaliação: Regular
  • Onde: Disponível na Netflix
  • Elenco: Ana Hartmann, Luellem de Castro, Emílio de Mello, Carla Ribas
  • Direção: Claudio Torres
  • Roteiro: Claudio Torres e João Costa

Após ver os seis episódios de “Reality Z” disponibilizados à imprensa —dos dez totais que estreiam nesta quarta (10)— a impressão que se tem é que mesmo um filme de uns 90 minutos com essa história já teria sido enfadonho.

A nova produção brasileira da Netflix mistura um erotismo juvenil de filmes de terror dos anos 1980 com o que parece ser uma crítica ou sátira de reality shows em um seriado de zumbis cheio de sangue e gritos.

Zumbis começam a tomar conta do Rio de Janeiro enquanto pessoas estão confinadas como parte do reality fictício “Olimpo”, apresentado por Sabrina Sato, que vive Divina, e com personagens que levam apelidos de deuses gregos —as eliminações são chamadas de sacrifícios e a voz de comandos para os trancafiados se autodenomina Zeus.

Muito rapidamente os comedores de gente chegam aos estúdios de televisão, à equipe de produção do reality e até mesmo à casa dos confinados. Sem saber disso, porém, a criadora da atração, demitida pela emissora, resolve ir se proteger do apocalipse zumbi na casa que criou para seu reality.

E aí vão se misturando na luta pela sobrevivência um diretor de televisão grosseiro e inescrupuloso, a produtora boazinha, a gostosona, o herói e o tonto do reality, policiais e um deputado corruptos.

Ataques de zumbis sanguinários ganham trilha musical de canções leves e alegrinhas criando um descompasso com o qual já estamos acostumados de filmes indie.

É possível dar alguns sorrisos amarelos quando se assiste a “Reality Z” em meio ao distanciamento social pelo qual estamos passando. Há frases como “não viu que não é para sair de casa?”, quando um dos personagens culpa o outro por ser obrigado a enfrentar alguns zumbis.

Embora atinja, em alguns momentos, pequenos sustos e breves momentos de tensão, sobretudo com o comportamento burro dos personagens —um clássico dos filmes de terror B—, o resultado é uma chatice de interpretações forçadas e diálogos pobres regada a muito sangue, cabeças explodindo e órgãos sendo arrancados.

Receba notícias da Folha

Cadastre-se e escolha quais newsletters gostaria de receber

Ativar newsletters

Relacionadas