Siga a folha

Conheça o Ant Group, empresa que pode fazer o maior IPO da história

Braço financeiro do Alibaba pode captar US$ 30 bilhões em sua estreia em Bolsa

Continue lendo com acesso ilimitado.
Aproveite esta oferta especial:

1 ANO DE DESCONTO

3 meses por R$1,90

+ 9 de R$ 19,90 R$ 9,90

ASSINE A FOLHA

Cancele quando quiser

Notícias no momento em que acontecem, newsletters exclusivas e mais de 120 colunistas.
Apoie o jornalismo profissional.

Hong Kong

O Ant Group, braço financeiro do Alibaba e líder de pagamentos móveis da China, entrou com pedido de listagem dupla na Bolsa de Hong Kong e na Bolsa de Xangai nesta terça-feira (25), em uma operação que pode captar até US$ 30 bilhões (R$ 166 bilhões, o que seria o maior IPO (ofera inicial de ações, na sigla em inglês) do mundo.

A oferta inicial da Ant seria a primeira listagem simultânea em Hong Kong e na Bolsa de Xangai, impulsionando o status de Hong Kong como um mercado internacional de IPOs e ajudando a aprimorar o Xangai como um centro de mercado de capitais.

Em dezembro de 2019, a gigante do petróleo Saudi Aramco levantou US$ 29,4 bilhões em seu IPO, ultrapassou o recorde anterior do Alibaba, que captou US$ 25 bilhões em 2014.

Jack Ma, o bilionário que controla o Ant Group, gigante chinês da tecnologia que se prepara para uma oferta pública de ações - Jorge Silva/AFP

O Ant foi avaliado em cerca de US$ 150 bilhões em sua última rodada de investimento em 2018, que atraiu investidores como Temasek e Warburg Pincus. O seu objetivo é chegara US$ 200 bilhões com o IPO.

Caso a meta seja atingida, isso colocaria o Ant Group entre as empresas de mais alto valor na China e entre as companhias de tecnologia financeira mais valiosas do planeta, perto da Pay Pal e da Mastercard, que recentemente registraram capitalizações de mercado de US$ 233 bilhões e US$ 344 bilhões, respetivamente.

O Ant Group data de 2004, quando o Alipay foi criado para facilitar transações de pagamento em sites de comércio eletrônico operados pelo Alibaba Group. O Alipay subsequentemente se expandiu e transformou em provedor de serviços para diversas formas de pagamento, em loja e online, no varejo e entre companhias.

Um predecessor do Ant Group foi cindido do Alibaba em 2011 e a empresa mudou de nome para Ant Financial Services Group em 2014. O nome foi alterado de novo, para Ant Group, alguns meses atrás. O Alibaba, cuja oferta pública inicial de ações em Nova York arrecadou US$ 25 bilhões em 2014, no momento detém um terço do Ant, enquanto o bilionário Jack Ma, co-fundador e presidente executivo do Alibaba Group, controla 50,5% das ações com direito a voto no grupo.

A empresa planeja usar os recursos da oferta, prevista para outubro, para expandir sua base de usuários e ampliar pagamentos internacionais, bem como aprimorar suas capacidades de pesquisa e desenvolvimento.

Na documentação para o IPO, o Ant revelou a alta lucratividade de seus negócios, que envolvem a plataforma de pagamentos e aplicativo de estilo de vida Alipay.

O grupo registrou 21,2 bilhões de yuan (US$ 3 bilhões) em lucro líquido no primeiro semestre de 2020, sobre um faturamento de 72,5 bilhões de yuan (US$ 10,5 bilhões). Isso implica uma margem de lucro líquido de cerca de 30%, bastante alta para uma empresa relativamente jovem que continua a crescer rapidamente.

O Ant Group informou que sua receita cresceu em cerca de 40% no primeiro semestre, e pela mesma proporção em 2019, quando a companhia faturou 120,6 bilhões de yuan (US$ 17 bilhões).

Cerca de 43% de sua receita no ano passado veio do que a companha define como serviços digitais de pagamento e serviços a comerciantes. O Ant Group informou que o Alipay processou 118 trilhões de yuan (US$ 17 trilhões) em transações na China continental nos 12 meses até junho, e transações internacionais em valor de 622 bilhões de yuan. O Alipay cobra taxas dos comerciantes com base em uma porcentagem de seu volume de transações, e mais de 80 milhões de empresas utilizam seu app móvel.

O grosso das demais receitas do Ant Group vêm do que a empresa define como sua plataforma de tecnologia financeira digital, que recebe tarifas por serviços de tecnologia prestados a numerosos bancos, empresas de gestão de patrimônio e seguradoras, que recorrem ao Alipay para realizar empréstimos, vender cotas em fundos mútuos, seguros e outros produtos aos consumidores.

O Ant Group informou que suas plataformas de empréstimos ao consumidor e a pequenas empresas tinham um saldo de créditos de 2,1 trilhões de yuan (US$ 300 bilhões), e que sua plataforma de gestão de patrimônio facilitou 4,1 trilhões de yuan (US$ 590 bilhões) em investimentos até 30 de junho. A maioria dos empréstimos foram realizados por bancos com os quais a empresa mantém parcerias.

No primeiro semestre de 2020, o Ant Group informou que a pandemia da Covid-19 e os lockdowns resultantes prejudicaram o consumo na China, especialmente em lojas e outros estabelecimentos físicos, e afetaram negativamente o crescimento do volume de transações e o desempenho de suas operações de empréstimos. Ainda assim, analistas dizem que os grandes saltos na receita e lucro do Ant Group no primeiro semestre demonstram a capacidade da empresa de resistir a choques econômicos.

“O impacto da Covid não os desacelerou tanto quanto se esperava” e, em lugar disso, gerou um estímulo” a outas transações online e compensou o desordenamento em algumas áreas, disse Duncan Clark, presidente da BDA China, uma consultoria de negócios, e autor de um livro sobre Jack Ma e o Alibaba.

Os documentos apresentados pelo Ant Group na terça-feira apontam para a regulamentação chinesa como um potencial fator de risco. A empresa informa que, em 2019, o banco central da China divulgou um anteprojeto de regulamentação que incidiria sobre holdings financeiras. O grupo pode ficar sujeito a essas regras caso a instituição decida colocá-las em vigor.

A companhia afirma há muito tempo ser uma empresa de tecnologia, e não de serviços financeiros, uma posição que explica sua recente mudança de nome.

O Ant Group também indicou que as tensões geopolíticas entre os Estados Unidos e a China conduziram a um agravamento das relações entre os dois países, que resultou em “intensos conflitos potenciais entre os dois países no comércio internacional, tecnologia, finanças e outras áreas”. O grupo disse que isso trazia a perspectiva de desafios regulatórios ou restrições às empresas chinesas de tecnologia, como ele e o Alibaba, em diversas áreas.

Dois anos atrás, o Ant Group foi avaliado em US$ 150 bilhões, como parte de uma rodada de capitalização que arrecadou US$ 14 bilhões e atraiu grandes investidores chineses e internacionais.

A documentação apresentada na terça-feira menciona numerosas instituições chinesas e internacionais como acionistas do grupo, entre as quais o fundo nacional de pensões e outras instituições estatais chinesas; os fundos soberanos de investimento de Singapura e da Malásia; subsidiárias dos grupos de capital privado General Atlantic e Warburg Pincus; o Canada Pension Plan; e as administradoras de fundos mútuos T. Rowe Price Group, BlackRock e Fidelity Investments. Alguns desses investidores contabilizaram acréscimos consideráveis de valor nas ações do Ant que eles detêm.

A abertura iminente do capital do Ant Group será um grande estímulo para o STAR Market, estabelecido na China um ano atrás a fim de atrair empresas nacionais de tecnologia interessadas em lançar ações. Dentro da empresa, o projeto da oferta pública inicial de ações é conhecido como “Project Star”, de acordo com uma reportagem anterior do The Wall Street Journal.

A empresa pretende empregar 30% dos proventos da oferta pública inicial para expandir sua base de usuários e no desenvolvimento de serviços digitais, 40% em inovação, pesquisa e desenvolvimento, e o restante em pagamentos transnacionais e para uso corporativo geral, de acordo com a documentação. O Ant Group tinha 16,6 mil empregados no final de junho.

Citigroup, JPMorgan Chase, Morgan Stanley e China International Capital foram indicados como organizadores conjuntos da oferta pública inicial do Ant Group em Hong Kong. A China International Capital e a China Securities organizarão a venda de ações na bolsa de Xangai.

(Com Reuters e The Wall Street Journal)

Tradução de Paulo Migliacci

Receba notícias da Folha

Cadastre-se e escolha quais newsletters gostaria de receber

Ativar newsletters

Relacionadas