Descrição de chapéu The Washington Post

Fundador do Alibaba prevê jornadas semanais de 12 horas de trabalho

Jack Ma, que já defendeu modelo de 12 horas de trabalho diário, diz que no futuro a tecnologia permitirá que pessoas trabalhem menos

The Washington Post

Jack Ma, o bilionário da tecnologia chinesa conhecido por argumentar em favor de um dia de trabalho de 12 horas, vê um futuro no qual as pessoas terão de trabalhar apenas 12 horas por semana.

O fundador da gigante do comércio eletrônico Alibaba declarou na quinta-feira (29) que os avanços tecnológicos permitiriam que as pessoas vivessem mais e trabalhassem muito menos horas.

"Em todas as revoluções tecnológicas, as pessoas começam a se preocupar. Nos últimos 200 anos, nos preocupamos com a nova tecnologia e achávamos que ela nos privaria de todos os empregos", disse Ma, na quinta-feira, em uma discussão com Elon Musk, o bilionário fundador da Tesla, em Xangai.

A Tesla está construindo uma fábrica de veículos elétricos na cidade. Os empresários estavam juntos no palco da Conferência Mundial de Inteligência Artificial realizada lá.

Jack Ma, fundador do Alibaba, em discussão com Elon Musk, o bilionário fundador da Tesla, em Xangai - Hector Retamal/AFP

Ma já provocou controvérsias ao endossar as práticas de trabalho "996" que vigoram no setor de tecnologia chinês, sob as quais empregados devem trabalhar das 9h às 21h, seis dias por semana.

Em declarações feitas alguns meses atrás, Ma disse que a oportunidade de trabalhar uma jornada como essa era uma "benção", e que sem esse tipo de cultura de trabalho, a economia da China "muito provavelmente perderia vitalidade e ímpeto".

Outro titã da tecnologia foi além, declarando que a cultura 996 era coisa de folgados. Richard Liu, presidente-executivo da JD.com, rival da Alibaba, disse que trabalha "8116+8", ou das 8h às 23h de segunda a sábado, mas só oito horas no domingo.

No entanto, em sua conversa com Musk na quinta-feira, Ma disse que no futuro as pessoas poderiam desfrutar de uma jornada semanal de trabalho muito mais curta.

"Nos próximos 20 a 30 anos, os seres humanos viverão muito mais. A tecnologia das ciências da vida vai estender a expectativa de vida para provavelmente 100 a 120 anos", ele disse. "Isso pode não ser uma coisa tão boa, porque você verá o avô de seu avô ainda trabalhando duro".

Mas isso não faria diferença, disse o empresário, porque o mundo não necessitaria de muitos empregos.

"Creio que as pessoas deveriam trabalhar três dias por semana, quatro horas por dia", disse, mencionando saltos tecnológicos do passado, como a Revolução Industrial e o uso da eletricidade, como fatores de melhora no equilíbrio entre vida e trabalho.

"O poder da eletricidade é que criamos mais tempo para as pessoas, para que elas possam ir ao karaokê de noite, possam ir a uma festa e dançar", ele disse em inglês.

"Creio que por causa da inteligência artificial, as pessoas terão mais tempo para curtir sua condição de seres humanos. Não creio que precisaremos de muitos empregos", disse Ma a Musk.

"Os empregos de que precisaremos serão para tornar as pessoas mais felizes. As pessoas curtirão a vida, curtirão sua humanidade".

Os internautas chineses não se deixaram impressionar.

"Ma disse no passado que o 996 era uma benção. Como ele pode dizer agora que as pessoas poderão trabalhar três dias por semana, quatro horas ao dia, e ir ao karaokê ou a uma festa para dançar de noite?", perguntou um usuário que usa o apelido "seja amigo e tenha tempo todos os dias" no Weibo, a versão chinesa do Twitter.

"Antes ele falou em chinês sobre 996. Isso foi para nós. Agora ele falou em 'três dias por semana, quatro horas por dia', em inglês. Isso é para os estrangeiros", afirmou o usuário.

Outro usuário, usando o nome "água com gás", recorreu a um provérbio chinês que significa duas coisas que não se encaixam: "Musk vai descobrir que esse diálogo é como colocar lábios de jumento na boca de um cavalo".

The Washington Post, tradução de Paulo Migliacci
 

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.