Siga a folha

Senado aprova convite para Guedes prestar explicações sobre críticas a senadores

Ministro da Economia chamou de crime decisão de congressistas de derrubar veto que proibia reajuste a servidores públicos

Você atingiu seu limite de matérias livres

Assine e tenha acesso Ilimitado

– OFERTA ESPECIAL – 6 MESES DE DESCONTO –

Cancele quando quiser

R$ 1,90 no primeiro mês

+ 5 de R$ 29,90 R$ 9,90

Notícias no momento em que acontecem, newsletters exclusivas e mais de 120 colunistas. Apoie o jornalismo profissional.

Brasília

Os senadores aprovaram em votação simbólica, nesta terça-feira (25), requerimento de convite ao ministro da Economia, Paulo Guedes.

Os congressistas querem que Guedes explique as críticas que fez ao Senado, ao classificar como crime a decisão dos senadores de derrubar o veto do governo que impedia aumento de salários dos servidores. O veto foi mantido na Câmara.

Por ter sido um convite, Guedes pode se recusar a comparecer em sessão virtual com os senadores, mas, de acordo com líderes governistas, o ministro está disposto a prestar explicações. Isso evitaria uma convocação.

Ainda não há data definida para a reunião. Segundo a assessoria do Senado, dependerá da agenda do ministro.

O requerimento aprovado foi de autoria do presidente do Senado, Davi Alcolumbre (DEM-AP), e do senador Marcos Do Val (Podemos-ES).

O presidente do Senado, Davi Alcolumbre, foi um dos autores do requerimento para ouvir o ministro Paulo Guedes, da Economia - José Cruz-18.dez.19/Agência Brasil

Integrantes da base governista, ambos apresentaram o convite para evitar que os líderes da oposição protocolassem um requerimento de convocação, que impediria Guedes de negar sua participação.

"De fato, o Senado está incomodado com as declarações do ministro Paulo Guedes. O Senado não merece ser atacado e agredido como instituição que só tem ajudado e colaborado com o Brasil. Ele (Guedes) ter de vir aqui ao Senado, trazer uma mensagem de respeito a essa Casa”, disse o presidente do Senado.

O clima de desconforto entre Guedes e os senadores resultou em uma reunião acalorada entre os líderes partidários na quinta-feira passada (20).

Liderados pelo senador Esperidião Amin (PP-SC), os congressistas da base governista puxaram a corda para que Guedes fosse ao Senado.

Daniella Ribeiro, líder do PP na Casa, e Izalci Lucas (PSDB-DF), vice-líder do governo, estavam entre os mais indignados com as declarações de Guedes.

Daniella chegou a protagonizar uma discussão acalorada com líder do governo no Senado, Fernando Bezerra (MDB-PE), que também envolveu outros senadores.

"Eu já liguei para o ministro, não houve ofensa", disse Bezerra, que tentou, sem sucesso, seguir falando.

"Ofensa houve", rebateu Randolfe Rodrigues (Rede-AP).

"Ofensa foi propagada em todo o país. Estamos reagindo civilizadamente a um terrorismo. Fernando, nós respeitamos vocês, mas isso é terrorismo", disse Amin.

A líder do PP chegou a narrar que foi chamada de traídora pelo Palácio do Palácio.

"O palácio me ligou dizendo que eu tinha traído o palácio. Ele não pode negar, Fernando. Chegou a hora de a gente se posicionar", disse Daniella​.

Receba notícias da Folha

Cadastre-se e escolha quais newsletters gostaria de receber

Ativar newsletters

Relacionadas