Celebrada aos 130, Torre Eiffel foi construída em meio a polêmica

Monumento foi feito em ocasião da Exposição Universal de 1889, sediada em Paris

Conteúdo restrito a assinantes e cadastrados Você atingiu o limite de
por mês.

Tenha acesso ilimitado: Assine ou Já é assinante? Faça login

São Paulo

A Torre Eiffel, um dos símbolos mais emblemáticos da França, foi palco de um show de luzes na última semana em celebração de seus 130 anos.

Atualmente, a torre é o monumento de acesso pago mais visitado no mundo, recebendo por ano cerca de sete milhões de pessoas. Mas ela nem sempre foi tão popular. 

Torre Eiffel iluminada em comemoração de seu aniversário de 130 anos - Gonzalo Fuentes /Reuters

O monumento foi construído em ocasião da Exposição Universal de 1889, sediada em Paris, que marcou o centenário da Revolução Francesa.

Na época, foi lançado um concurso para estudar a possibilidade de se erguer uma torre de ferro com 300 metros de altura. Entre 107 propostas, foi selecionada a liderada pelo engenheiro Gustave Eiffel (1832-1923).

Eiffel, que deu nome à torre, também esteve envolvido no projeto de outro monumento famoso —a Estátua da Liberdade, em Nova York.

Mas a execução, com início em 1887, se deu em meio a uma grande polêmica. 

Personalidades importantes da classe artística, como Guy de Maupassant, Charles Garnier e Charles Gounod, se opuseram fortemente à construção, que supostamente não estaria à altura da beleza de Paris.

Em protesto publicado por artistas no jornal Le Temps em 1887, ela chegou a ser descrita como "inútil e monstruosa".

Para entender as críticas, bastaria imaginar uma torre de "altura ridícula" dominando a cidade como uma "chaminé de fábrica cinzenta", dizia o texto.

A construção levou dois anos, dois meses e cinco dias para ser concluída. E sua inauguração, durante a Exposição Universal, foi considerada um sucesso. 

Mas, ainda assim, a Torre Eiffel não passaria de uma atração provisória, com desmonte previsto para dali 20 anos. 

Sua salvação não se deu pelo turismo, mas por uma utilidade prática: nela podiam ser instaladas antenas. Hoje um dos ícones mais queridos da França, a torre tem 324 metros até o topo.

Com restaurantes, lojas e observatório, ela pode ser visitada com ingressos que vão até 25,50 euros (R$ 115).

Relacionadas