Abertura da SBPC tem tom político e atos contra Kassab e cortes na ciência

Maior encontro científico do país começou nesta segunda (23) em Maceió

Gabriel Alves
Maceió

Com um forte tom político, tiveram início nesta segunda (23), as atividades do 70º Encontro Anual da SBPC (Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência), maior encontro científico do país.

Ao chegar ao campus de Maceió da UFAL, Gilberto Kassab, ministro da Ciência, Tecnologia, Inovação e Comunicações foi recebido por autoridades acadêmicas sob protesto de servidores que pediam mais concursos na área, inclusive para a reposição daqueles que se aposentaram, e a recuperação de verbas para o setor.

A jornalistas, o ministro disse entender e apoiar as reivindicações dos pesquisadores e servidores da área de ciência e tecnologia e afirmou que seu ministério é um dos que menos sofreu com os cortes. 

“As mobilizações [por vagas e contra os cortes] têm o nosso apoio. Elas nos ajudam a dar visibilidade para as demandas do setor. São manifestações corretas, com peso político e representatividade. Parte grande das demandas vem carregada de muita coerência  e legitimidade”, disse. 

O físico e ex-presidente da SBPC Sérgio Mascarenhas faz críticas aos cortes na ciência ao ministro do MCTIC Gilberto Kassab
O físico e ex-presidente da SBPC Sérgio Mascarenhas (em pé) faz críticas aos cortes na ciência ao ministro do MCTIC Gilberto Kassab na reunião da SBPC de 2018, em Maceió - Jardel Rodrigues/SBPC

“Não há país do mundo que consiga ter crescimento, desenvolvimento econômico e criação de empregos sem o avanço da pesquisa, da ciência e inovação. E esse avanço se dá cada vez mais com a participação do capital privado, mas é imprescindível, sempre foi e vai continuar sendo, a participação dos recursos públicos.”

O ministro também falou sobre a fusão dos ministérios realizada pelo governo Temer, que uniu as áreas de Ciência, Tecnologia e Inovação com Comunicações. A ação é vista como um retrocesso pelos pesquisadores. Para Kassab, houve um resultado positivo para ambas as áreas, com um ganho de visibilidade para as demandas e maior proximidade entre setores estratégicos. 

“O ministro é ministro das duas áreas em conjunto, dificilmente ele teria outra opinião”, afirma Ildeu de Castro Moreira, presidente da SBPC. “A criação do Ministério de Ciência, Tecnologia e Inovação foi uma conquista brasileira depois de décadas de luta, e ele vinha funcionando muito bem. Nós achamos que a fusão não ajudou em nada e trouxe alguns prejuízos. Não se concentrou tanto na ciência quanto deveria.”

“Nós continuamos com a posição de que é mais interessante fazer a separação dos ministérios, já que eles têm objetivos, estruturas e lógicas diferenciadas. É mais justo para o país, pela importância que a área tem. No entanto, nós estamos muito preocupados com uma questão maior de fundo, que é o desmonte do sistema de Ciência e Tecnologia com a redução drástica de recursos.”

O orçamento do MCTI em 2009 era de R$ 7,9 bilhões (R$ 13,4 bilhões em valores atuais). Atualmente o valor disponível é de R$ 4,1 bilhões. 

Na abertura oficial do encontro, no domingo (22), estudantes, servidores e pesquisadores vaiaram a participação do ministro da Educação Rossieli Soares da Silva e de representantes do MCTIC e protestaram contra o corte de verbas para os projetos de pesquisa. Também houve manifestações pedindo que o ex-presidente Lula, preso em Curitiba, seja libertado.

Uma dessas manifestações veio de Elisaldo Carlini, professor aposentado da Unifesp que recentemente foi chamado a prestar depoimento acusado de apologia às drogas. O especialista em maconha, há mais de 60 anos na pesquisa, foi um dos homenageados dessa edição da SBPC —e o único dentre eles que está vivo. 

Os demais foram o físico pernambucano José Leite Lopes (1918-2006), que completaria cem anos em 2018, Nise da Silveira (1905-1999), psiquiatra alagoana, e a socióloga Ana Maria Fernandes, morta em maio deste ano, aos 70 anos.

Em sessão comemorativa dos 70 anos da SBPC, realizada na tarde desta segunda (23), Kassab reconheceu perante o público de acadêmicos que falta apoio político para a ciência brasileira. 

“Falta apoio político, falta convicção, falta melhor relação com a sociedade para nos ajudar nessa importante missão de mostrarmos para nossas autoridades do campo da economia que eles têm uma visão errada em relação aos resultados que a ciência brasileira pode trazer para a recuperação da nossa economia.”

O físico e ex-presidente da SBPC Sérgio Mascarenhas pediu a palavra e disse para o ministro que ele poderia ser o defensor da ciência nacional, já que está dentro da “ditadura civil do governo Temer”

“A democracia tem muito a ver com a verdade. E a verdade é que há um desgaste completo da ciência. Não só dela, mas da educação, da inovação. Vossa excelência falou que a inovação está crescendo no país, mas ela está sendo destruída por esse governo. Seria uma coisa maravilhosa se vossa excelência pudesse ser o herói dessa luta e representar verdadeiramente [a ciência]. Gostaria que vossa excelência fosse o herói de acabar com esse marco ilegal da ciência [referindo-se ao slide que mostra a queda de investimentos ao longo dos anos]. Falo como um admirador de sua gestão de acabar com  o marco ilegal da ciência que nós estamos vivendo.”

O ministro não respondeu a Mascarenhas e saiu para pegar o voo de volta a Brasília. Mais cedo, ele, acompanhado de assessores e servidores do MCTIC, visitou os estandes das diversas entidades que participam do evento, como Finep, Marinha, Agência Espacial Brasileira, Cemaden, Impa, entre outros. 

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.