Técnica para 'consertar' genes danifica o DNA mais do que se pensava

Estudo na Nature Biotechnology traz ressalvas ao Crispr

Paris

Uma técnica de edição de genes saudada como o futuro da erradicação de doenças pode ser menos precisa e causar mais danos às células do que se pensava anteriormente, diz novo estudo.

Apresentada pela primeira vez há cerca de seis anos, a CRISPR-Cas9 (pronuncia-se Crísper) permite aos cientistas inserir, remover e corrigir uma sequência defeituosa numa cadeia de DNA de uma célula com precisão. 

Experimentos de laboratório usando células de camundongo e humanas revelaram que a técnica causou frequentemente mutações genéticas extensas, relataram os pesquisadores em artigo na Nature Biotechnology. 

Desenho esquemático mostrando ação da técnica Crispr-cas9, capaz de editar o DNA
Desenho esquemático mostrando ação da técnica Crispr-cas9, capaz de editar o DNA - Reprodução

"Esta é a primeira avaliação sistemática de eventos inesperados resultantes da edição CRISPR-Cas9", disse Allan Bradley, do Instituto Wellcome Sanger, na Inglaterra e coautor do estudo. A pesquisa mostrou que "mudanças no DNA foram seriamente subestimadas antes", diz ele. As mutações não se mostraram prejudiciais nem benignas. 

"É importante que qualquer um que esteja pensando em usar essa tecnologia para a terapia genética proceda com cautela e procure cuidadosamente verificar os efeitos prejudiciais", disse Bradley em um comunicado divulgado pelo instituto. 

A técnica aumentou as esperanças de que um dia os genes causadores de doenças poderiam ser removidos ou alterados antes mesmo de o bebê nascer. Ela não está aprovada para uso em humanos. 

Até agora, os pesquisadores a usaram para melhorar a audição em camundongos que estavam ficando surdos e para consertar uma mutação causadora de doenças em embriões humanos clonados em estágio inicial. 

Especialistas não envolvidos no estudo disseram que não está claro como essas mudanças grandes e não intencionais não foram percebidas antes. 

Mas "os resultados não dão motivo para pânico ou para perder a fé nos métodos quando são realizados por aqueles que sabem o que estão fazendo", disse Robin Lovell-Badge, do Instituto Francis Crick, um centro de pesquisa biomédica em Londres.

Para Francesca Forzano, consultora em genética clínica do Guy's e St Thomas' NHS Foundation Trust, o trabalho mostrou que a CRISPR-Cas9 "é muito menos segura do que se pensava anteriormente" e que as técnicas de monitoramento de segurança "não eram totalmente adequadas". 

Mais pesquisas são necessárias antes que qualquer aplicação clínica do método seja considerada, disse Forzano.

AFP
Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.