Descrição de chapéu

Insubstituível, acervo tinha desde fóssil mais antigo até meteorito

Coleções também ajudavam em pesquisas para a determinação de novas espécies

Reinaldo José Lopes
São Carlos

No caso do incêndio do Museu Nacional da UFRJ, todos os clichês normalmente aplicados à perda do patrimônio científico e histórico estão corretos: o que foi tragado pelo fogo —pelo que se sabe até agora, o grosso das coleções, exposições e laboratórios do museu— tem valor incalculável e jamais poderá ser substituído.

Escrevo este texto com o incêndio ainda ardendo na Quinta da Boa Vista, o que significa que nenhuma contabilidade detalhada do que foi perdido pode ser feita.

No entanto, as dimensões do desastre e o dano generalizado ao prédio histórico já deixam claro que o acervo correspondente às áreas de arqueologia, paleontologia, invertebrados e história do Brasil sofreu destruição total ou quase total. A coleção de vertebrados, ao menos parte da de botânica e a biblioteca, localizadas num prédio anexo mais distante, foram poupadas.

Considerando as coleções já destruídas pelo incêndio, portanto, o que pode ter se perdido?

Para começar, o ser humano mais antigo achado até hoje no Brasil. Trata-se do esqueleto da jovem apelidada de Luzia, que viveu em Minas Gerais há cerca de 12 mil anos, quando ainda existiam mastodontes e dentes-de-sabre no cerrado. As feições singulares de Luzia e de outros habitantes da região de Lagoa Santa – que lembram mais as de aborígines da Austrália que a dos índios modernos – levaram antropólogos brasileiros a postular duas ondas distintas de migração para as Américas no fim da Era do Gelo.

Muitíssimo mais antigos que Luzia são (eram?) os dinossauros e pterossauros (répteis voadores) descobertos por cientistas do museu, como o Maxakalisaurus topai, dino herbívoro de 13 m de comprimento. O museu tinha acabado de realizar uma vaquinha virtual para renovar a área de exposição do fóssil.

A instituição bicentenária também era a casa da maior coleção de antiguidades egípcias da América Latina, num total de 700 peças que começaram a ser acumuladas em 1826, quarto ano do reinado de Dom Pedro 1º. Havia estelas (monumentos que equivalem a postes de pedra), estátuas, caixões e múmias, oriundos principalmente das antigas cidades de Tebas e Abidos.

Além do mais, engana-se quem acha que a destruição, por mais lamentável que seja, afeta apenas um patrimônio que corresponde basicamente ao passado. No que diz respeito a estudos sobre biodiversidade, por exemplo, acervos de museu são, em certo sentido, máquinas do tempo que viajam tanto para trás quanto para a frente.

Isso porque quem batiza formalmente uma nova espécie de animal ou planta quase sempre deposita num museu o exemplar conhecido como holótipo, o indivíduo de referência para aquele tipo de ser vivo, que servirá de base de comparação para pesquisas de toda sorte no futuro.

Ou seja, a perda de um museu não só faz sumir esses exemplares de referência, de importância histórica, como complica muito a vida de quem gostaria de poder compará-los com possíveis novas espécies. Isso, é claro, sem falar nos exemplares que já tinham chegado ao acervo e ainda não haviam sido analisados —como há poucos pesquisadores especializados nesse trabalho, a fila para descrição costuma ser grande.

“Perder holótipos de espécies descritas é uma dor imensa. Se a gente tentar dimensionar as espécies que ainda seriam descritas a partir do acervo, essa dor se transforma numa angústia sem fim”, diz o zoólogo Hugo Fernandes-Ferreira, professor da Universidade Estadual do Ceará.

Esse tipo de desastre afetará, duramente, quem ainda gostaria de poder examinar os 5 milhões de exemplares de insetos que estavam no museu —ou admirar o meteorito de Bendegó, um monstrengo espacial descoberto no sertão baiano em 1784 e levado para o Rio em 1888, quando Dom Pedro 2º ainda reinava.

O meteorito era o primeiro item do acervo que o visitante via ao entrar na instituição.

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.