Pesquisas brasileiras com dobras de cérebros e informações quânticas ganham R$ 1 milhão cada

Projetos apoiados pelo Serrapilheira tentam explicar por que cérebros de mamíferos são dobrados e implicações da computação quântica

São Paulo

Três físicos brasileiros foram escolhidos pelo Instituto Serrapilheira, a primeira entidade privada de fomento à pesquisa do Brasil, para receber R$ 1 milhão cada para desenvolver suas pesquisas.

São eles Bruno Mota, do Instituto de Física da UFRJ, Mario Aolita, também da UFRJ e Rafael Chaves, do Instituto Internacional de Física da UFRN.

Mota conta que um encontro numa roda de samba em Niteró (RJ) o ajudou na conquista. Foi lá que o pesquisador encontrou Suzana Herculano-Houzel, neurocientista e colunista desta Folha, e mudou os rumos de sua pesquisa.

Imagem fluorescente do hipocampo de um camundongo; a região é associada à formação de memória
Imagem fluorescente do hipocampo de um camundongo - NIH

Até aquele momento, o pesquisador trabalhava com topologia cósmica (de forma bem resumida, estudava a forma do Universo). Depois do samba, Mota passou a se dedicar à neurociência teórica, o que o levou ao projeto de R$ 1 milhão: explicar como se forma o cérebro de mamíferos a partir de princípios matemáticos e com previsões que possam ser posteriormente testadas.

“Tipicamente, a física sempre foi muito analítica. Pegamos um problema, separamos em partes menores e o resolvemos com equações matemáticas. Você cria teorias que produzem previsões a serem testadas. Já a biologia sempre foi uma ciência muito descritiva, você descreve a espécie, o tipo de neurônio, um órgão. E isso sem tentar entender muito o porquê de ele ter essa forma ou que processos criaram essas formas”, diz Mota. 

Um dos braços do projeto do pesquisador é a coleta de cérebros de cetáceos (como baleias, golfinhos e botos). Segundo Mota, tais bichos são excepcionais por viverem em pressões e variações de temperatura que nenhum outro mamífero tem que enfrentar. Além disso, junto aos primatas, eles possuem os maiores e mais “dobrados” cérebros de que se tem notícia, e são uma ordem relativamente pouco estudada quanto a isso.

“Existe uma maneira única que a natureza conhece para dobrar um córtex cerebral”, diz Mota. “Essa forma universal é comum entre humanos, camundongos, macacos, cachorros e elefantes.”

Outra pesquisa que também receberá R$ 1 milhão (do qual R$ 300 mil devem ser usados para a integração e formação de cientistas de grupos sub-representados na ciência) é a de Mario Aolita, da UFRJ, que pesquisa a relação da teoria da relatividade geral de Einstein com a mecânica quântica —e o impacto do assunto no desenvolvimento de computadores quânticos . 

A outra bolsa milionária irá para Rafael Chaves, da UFRN, que estuda informação quântica (também relacionada aos computadores quânticos), forma pela qual seria impossível copiar informações, ou seja, mais segurança de dados.

Os três físicos já haviam sido selecionados pelo Serrapilheira, em 2019, para uma bolsa de R$ 100 mil, por um ano. Após esse período, as pesquisas desenvolvidas por eles foram reavaliadas e escolhidas para receber R$ 1 milhão.

“Embora ainda jovens, eles já estão inseridos em redes internacionais, contribuindo com ideias inovadoras”, diz Cristina Caldas, diretora de Ciência do Serrapilheira.

O valor oferecido pelo Serrapilheira pode ser usado pelos cientistas da forma que eles acharem melhor, num sistema diferente do normalmente aplicado por agências de fomento públicas do Brasil.

“A coisa mais comum na ciência é, se você quer fazer um projeto, você para o que está fazendo, escreve o projeto, pede dinheiro e o dinheiro não sai ou demora. Se o seu aluno quer apresentar o trabalho num congresso, tem que pedir dinheiro e você não sabe se vai conseguir”, diz Mota. “A minha intenção é fazer ciência sem fricção. A ideia é que consigamos fazer ciência na medida da necessidade, não da disponibilidade de recursos.”

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.