Adoção de filhote de leopardo por leoa surpreende pesquisadores

Espécies normalmente apresentam comportamento competitivo

Cara Giaimo
The New York Times

Os leões e os leopardos do Parque Nacional Gir, em Gujarat, na Índia, normalmente não se dão bem.
“Eles competem entre si” por espaço e comida, disse Stotra Chakrabarti, pesquisador da Universidade de Minnesota (EUA) que estuda o comportamento animal.

Mas cerca de um ano atrás uma jovem leoa do parque deixou a inimizade de lado. Ela adotou um bebê leopardo.

O filhote de 2 meses —com orelhas felpudas e olhos azuis— era adorável, e a leoa passou semanas cuidando dele, alimentando e protegendo, até que ele morreu. Ela o tratou como se fosse um de seus dois filhotes, que tinham idade semelhante.

Leoa com o leopardo e seu filhote no Parque Nacional Gir, em Gujarat, na Índia
Leoa com o leopardo e seu filhote no Parque Nacional Gir, em Gujarat, na Índia - Dheeraj Mittal/NYT

Foi um caso raro de adoção entre espécies diferentes na natureza, e o único exemplo documentado envolvendo animais que normalmente são fortes concorrentes, segundo Chakrabarti, que relatou o caso para a revista Ecosphere.

Os autores do artigo, que também incluem um oficial de conservação e um guarda florestal, avistaram o grupo heterogêneo no final de dezembro de 2018, perto de um antílope nilgai recém-morto.

Inicialmente, eles pensaram que a associação seria breve; uma leoa na área de conservação de Ngorongoro, na Tanzânia, tinha sido observada cuidando de um filhote de leopardo, porém só por um dia antes de se separarem.

“Mas esta continuou”, disse Chakrabarti. Durante um mês e meio, a equipe observou a mãe leoa, seus dois filhotes e o pequeno leopardo perambulando no Parque Nacional Gir. A leoa cuidou dele como se fosse dela, amamentando-o e compartilhando a carne que caçava, disse Chakrabarti.

Seus novos irmãos também foram acolhedores, brincando com o novo amigo e ocasionalmente subindo em árvores com ele.

Ao contrário de seus semelhantes na África, os leões asiáticos vivem em pequenos grupos segregados por sexo. Depois que dão à luz, as fêmeas geralmente se separam dos outros durante alguns meses, para criar os filhotes por conta própria. Se a família improvisada tivesse interagido mais com outros leões adultos, o leopardo talvez fosse identificado como um impostor, explica.

Mas eles nunca passaram por esse teste. Após cerca de 45 dias, a equipe de pesquisadores encontrou o corpo do filhote de leopardo perto de um poço de água. Uma necropsia em campo revelou que ele provavelmente havia morrido por causa de uma hérnia femoral que tinha desde o nascimento.

A história do filhote de leopardo se somou a outros dois casos documentados de adoção entre espécies na natureza. Em 2004, um grupo de macacos-prego adotou um bebê sagui. E em 2014 uma família de golfinhos-nariz-de-garrafa recebeu uma baleia-cabeça-de-melão, que aprendeu a surfar e saltar como seus novos amigos.

Filhote de leopardo adotado por leoa em parque na Índia
Filhote de leopardo adotado por leoa em parque na Índia - Dheeraj Mittal/NYT

Nos três casos, uma mãe que amamentava trouxe o novo bebê para o grupo, disse Patrícia Izar, professora associada na Universidade de São Paulo e membro da equipe que estudou a adoção do sagui pelos macacos-prego. É possível que as alterações hormonais associadas à maternidade facilitem o vínculo com um filhote estranho, disse Izar, que não participou da pesquisa na Índia.

Por mais intrigante que tenha sido essa adoção, ela também ressalta as semelhanças entre filhotes de diferentes espécies felinas, disse Chakrabarti. Até atingirem a idade adulta jovem, quando surgem diferenças sociais, leões e leopardos brincam, miam e pedem leite de maneira parecida.

Para a mãe leoa, esses pontos em comum podem ter superado as características mais definidas do filhote de leopardo —seu cheiro, o tamanho menor e a aparência manchada.

Tradução de Luiz Roberto Mendes Gonçalves

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.