Maria Hermínia Tavares

Professora titular aposentada de ciência política da USP e pesquisadora do Cebrap.

Salvar artigos

Recurso exclusivo para assinantes

assine ou faça login

Maria Hermínia Tavares
Descrição de chapéu Eleições 2018

Os que não estavam lá

Há um significativo contingente de brasileiros em cujas vidas o Estado não está presente de maneira positiva

  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

No momento mais tocante da cerimônia de posse, Lula e Alckmin subiram a rampa do Palácio do Planalto acompanhados por um menino negro, um líder indígena, um metalúrgico, um professor, uma cozinheira, um jovem com sequelas de paralisia cerebral, um artesão e uma catadora de material reciclável —de quem o eleito recebeu a faixa. O grupo simbolizava a diversidade do povo pobre, destinatário primeiro do governo encabeçado por um político de esquerda.

É justo que assim seja em um país onde a renda média per capita, em 2021, foi de R$ 1.500 e só 1% da população faturou mais do que R$ 11.300. Quando a pobreza é avassaladora —e mãe de múltiplas desigualdades—, governos progressistas devem fazer de seu combate prioridade e razão de ser.

O presidente Lula, com a primeira dama Janja, o vice-presidente Geraldo Alckmin e sua esposa Lu Alckmin, na subida da rampa do palácio do Planalto - Eduardo Anizelli/Folhapress

Além do que foram os mais pobres, nos quatro pontos cardeais, os outorgantes da vitória à ampla coligação encabeçada pelo PT. Pesquisas anteriores ao primeiro turno mostraram que Lula só batia Bolsonaro entre os muitos milhões de brasileiros sobrevivendo com até dois salários mínimos.

Nem por isso cabe imaginar que a sociedade brasileira consista em um amontoado de destituídos e uma ínfima elite de endinheirados sanguessugas. Tampouco se pode conceber que um governo progressista deva única e exclusivamente cuidar dos muitos e exortar os poucos à generosidade.

Entre uns e outros, há um significativo contingente de brasileiros de variadas ocupações, em cujas vidas o Estado não está presente de maneira positiva. Em 2016, encomendei pesquisa de opinião para entender melhor esse grupo —então chamado, imprecisamente, de "novas classes médias".

Os dados mostraram que a melhora por elas percebida em sua condição, nos anos do boom petista, era atribuída ao esforço próprio, a Deus e ao apoio da família, nunca a decisões de governo. Em geral, simpatizavam com o PSDB, embora, dois anos antes, uma parcela tivesse votado em Dilma Rousseff.

Em 2022, consolidando um padrão, as sondagens eleitorais indicavam que praticamente a metade dos brasileiros com renda entre dois e cinco salários mínimos preferia Bolsonaro, enquanto 40% optavam pelo petista. De porte semelhante era a vantagem de Bolsonaro no grupo cujos ingressos superavam cinco salários mínimos (Quaest Consultoria e Pesquisa).

Embora não estivessem representados na rampa em 1º de janeiro, seria grave equívoco ignorá-los nas falas e ações de um governo empenhado em desradicalizar a vida política, o que dele demanda cuidar da qualidade da ação estatal: na segurança pública, na educação e na saúde —além da intransigência com a corrupção e o patrimonialismo no seu quintal.

LINK PRESENTE: Gostou deste texto? Assinante pode liberar cinco acessos gratuitos de qualquer link por dia. Basta clicar no F azul abaixo.

  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

Tópicos relacionados

Leia tudo sobre o tema e siga:

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.