Descrição de chapéu Rio de Janeiro

Homem é preso com 20 fuzis que seriam levados para favela no Rio

Suspeito foi localizado em blitz da PRF na rodovia Washington Luís

São Paulo

Policiais rodoviários apreenderam um arsenal de armas de grosso calibre que seria entregue no Complexo da Maré, comunidade da zona norte do Rio de Janeiro dominada por milícias e traficantes.

Segundo a corporação, a carga era composta por 20 fuzis de fabricação estrangeira, 1.400 munições de calibre 5,56 mm e 40 carregadores. Tudo estava escondido sob o fundo falso de um veículo.

Fuzis apreendidos que seriam levados para o Complexo da Maré, no Rio
Fuzis apreendidos que seriam levados para o Complexo da Maré, no Rio - Divulgação/PRF

O motorista, que não teve a identidade revelada, confessou que entregaria o armamento no Complexo da Maré, mas não deu mais detalhes sobre a encomenda à PRF.

A PRF diz que localizou o suspeito em uma abordagem de rotina na rodovia Washington Luís (BR-040), na altura da cidade de Duque de Caxias, na Baixada Fluminense, na manhã desta terça-feira (4).

Ao ser abordado pelos policiais rodoviários, o suspeito, de 41 anos, se mostrou muito nervoso, o que levantou desconfiança entre os policiais que, após vistoria minuciosa no veículo, acabaram encontrando o armamento ilegal.

O motorista foi detido e confessou que viajava de São Paulo para o Rio de Janeiro. Ele foi levado para a Delegacia Especializada em Armas, Munições e Explosivos.

ARMAS APREENDIDAS

Números do Instituto de Segurança Pública, ligado ao governo do Rio, mostram que a apreensão de fuzis, submetralhadoras e metralhadoras caiu nos três meses completos após o início da intervenção federal no estado fluminense.

Foram 92 dessas armas retiradas de circulação de março a maio deste ano, ante 145 no mesmo período do ano passado —uma redução de 37%. Considerando todos os tipos de armas, também houve queda de 5% (de 2.343 para 2.229).

Mesmo considerando que 2017 foi um ano atípico, com mais apreensões do que a média, os números de 2018 se mantêm próximos aos de anos anteriores, indicando que a intervenção federal na segurança não teve impacto nessa atividade policial.

A média de 2007 a 2016 era de 91,7 armas pesadas apreendidas no mesmo período.

Reduzir a quantidade de traficantes circulando armados pelas favelas é um dos objetivos a curto prazo da intervenção federal na segurança do Rio, segundo afirmou o interventor e general Walter Braga Netto em um evento na semana passada. “Temos que diminuir aquela ostensividade que estava existindo no Rio”, afirmou ele na ocasião.

Os fuzis —que são de uso restrito das forças de segurança e chegam a custar R$ 50 mil no mercado clandestino— são considerados um dos pesadelos no estado.

Eles representavam 3,3% de todas as armas apreendidas no Rio em 2014, o que é bastante alto. Para se ter uma ideia, em São Paulo a taxa era de 0,8%, segundo o levantamento mais recente disponível, do Instituto Sou da Paz.

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.