Descrição de chapéu Tragédia em Brumadinho

Sirene e boatos instauram pânico em área vizinha a reservatório

Moradores da comunidade de Macacos, em Nova Lima (MG), convivem próximo à barragem da Vale

Rubens Valente
Nova Lima

Vizinhos do município de Brumadinho (MG), onde na sexta-feira (25) se rompeu a barragem da mina do Feijão, os moradores da comunidade de Macacos, em Nova Lima (MG), estão assustados. A Vale instalou, no final de 2018, seis sirenes de alertas e anunciou para junho próximo um simulado para evacuação de parte dos moradores.

O mesmo ocorreu em Córrego do Feijão, bairro na zona rural de Brumadinho destruído pela lama do reservatório rompido. No ano passado, a comunidade passou por um simulado feito pela Vale.

Desde o desastre, uma onda de preocupação percorre o vilarejo de cerca de 5.000 moradores, cujas origens remontam ao século 18.

Barragem do Capão da Serra, nos arredores da comunidade de Macacos, no interior de MG - Pedro Ladeira/Folhapress

Macacos é um destino turístico importante na região metropolitana de Belo Horizonte, com opções de ciclismo, trilhas, cachoeira e vida noturna com bares e restaurantes de comida mineira.

Nesta quarta-feira (30), um boato disseminado em grupos de WhatsApp de que uma das sirenes foi acionada provocou alvoroço. Houve gente correndo pelas ruas e pessoas que faltaram ao trabalho por receio de se aproximar da barragem do Capão da Serra. 

O medo dos moradores reacendeu o trauma de 2001, quando um reservatório localizado quase ao lado também rompeu, matando cinco funcionários.

A Folha esteve nesta quarta (30) no alto da represa, um grande lago artificial esverdeado, cercado de densa vegetação. No lado direito foi instalada uma torre de sirenes. 

A barragem é localizada no alto de um vale arborizado ocupado por dezenas de casas, algumas em condomínios de alto padrão.

Numa reunião com moradores em novembro passado, a Vale reconheceu que há 252 moradias na "zona de mancha", expressão usada para determinar a área crítica no caso de uma ruptura da barragem

Contudo, um dos engenheiros da mineradora, João Paulo Silva, afirmou na reunião, segundo a ata registrada, que todas as cinco barragens da região estão "seguras, bem projetadas, bem operadas e bem acompanhadas". 

Com o desastre em Brumadinho, as afirmações passaram a ser vistas com desconfiança. "A palavra dos engenheiros da Vale caiu em total descrédito. Isso de eles terem uma barreira lá [em Brumadinho] que eles atestam que não corre risco e ela estoura, isso joga os laudos e a palavras deles no lixo. Porque se [com] uma que não corria risco aconteceu isso, imagina as que correm risco? É para estourar a qualquer momento", diz Raul Franco, presidente da associação comunitária local.

Os moradores se preparam para um novo encontro com representantes da mineradora nesta quinta (31). 

A educadora de arte Tatiana Santana, que mora em Macacos há cinco anos, disse que há tempos os moradores cobram um posicionamento da Vale sobre as condições da represa do Capão da Serra. "Está todo mundo em pânico. Eu mesmo estou querendo mudar daqui porque não posso colocar em risco minha vida e a da minha família por acreditar em laudo da Vale", diz.

O comerciante Sérgio Bonzi, dono de um mercado na área central, mora há 60 anos em Macacos. Ele contou que "fica preocupado, mas aqui onde estou é mais alto e não vai pegar". Seu comércio está a poucos metros da igreja de São Sebastião, construída há mais de 300 anos.

A percepção do dono do mercado, contudo, não é confirmada pela ata da reunião em novembro. Um representante da Vale disse que a "região central de Macacos, nas proximidades da igreja São Sebastião" também é considerada uma área crítica. 

O comerciante está confiante na situação da barragem. "No ano passado eles reforçaram tudo lá. Disseram que tinha umas trincas e eles reforçaram. Mas a gente não sabe, quem sabe é Deus", diz Sérgio.

Na reunião em novembro, a Vale afirmou que está cumprindo a legislação, que a barragem não corre risco e que todas as providências estão sendo tomadas para garantir a segurança dos moradores.

Procurada, a Vale informou que não houve alarme na comunidade de Macacos nesta quarta e não respondeu as demais perguntas.

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.