Estado do AM manda afastar médico após vídeo mostrar agressão durante parto

Gravação mostra gestante levando tapa do obstetra, em Manaus

Monica Prestes
Manaus

O Governo do Amazonas pediu nesta terça-feira (20) o afastamento de um médico depois de um vídeo repercutir nas redes sociais do parto de uma adolescente. Familiares acusam o profissional de agredir a grávida durante o trabalho de parto na maternidade Balbina Mestrinho, em Manaus. 

No vídeo, que segundo a irmã da jovem foi gravado por algum funcionário da maternidade, a gestante aparece deitada completamente nua, com as pernas abertas posicionadas para o nascimento da criança. 

Sentado, o médico Armando Andrade Araújo bate com as duas mãos no espaço entre a vagina e virilhas da paciente.  “Ai, não... Ele malinou (maltratou) muito de mim, ele bateu...”, responde a paciente, chorando.

Em outro momento do vídeo, uma familiar pede que ela seja levada pro centro cirúrgico para ter o bebê, e ameaça chamar a imprensa. O médico responde: “Pode chamar quem for. Eu quero é que chame para eles verem que ela não ajuda”, disse, sugerindo que a gestante não estava “colaborando” para o parto.

A acompanhante, então argumenta que a grávida está fraca, depois do “dia todo” sentindo dores, pois ela estava na unidade desde o dia anterior.

A Secretaria de Saúde do Amazonas (Susam) informou que a gravação foi feita em maio de 2018, quando a adolescente tinha 16 anos.

Segundo a pasta, a paciente deu entrada na maternidade na manhã do dia 18 de maio de 2018 e, na madrugada do dia 19, foi indicada a cesariana.

Foi nessa ocasião que o médico Armando Araújo prestou atendimento à adolescente e então aconteceu a cena. Ainda de acordo com a Susam, o parto da adolescente acabou sendo realizado por outro médico, às 5h33 do mesmo dia, e foi normal, sem intercorrências.

Em 2015, o médico ginecologista e obstetra Armando Andrade Araújo chegou a ser preso durante a Operação Jaleco, da Polícia Civil do Amazonas, por suspeita de integrar uma quadrilha que extorquia pacientes para realizar partos, laqueaduras e outros procedimentos em hospitais da rede pública em Manaus. 

Solto, ele foi condenado a dois anos de reclusão por cobrar dinheiro das pacientes para realizar os procedimentos. Mas, por ser réu primário, teve a pena convertida em prestação de serviço à comunidade, segundo o Ministério Público do Estado do Amazonas. 

A irmã mais velha da adolescente contou que a jovem ficou traumatizada com a “violência física e psicológica” e que não fizeram a denúncia antes porque não tinham provas. 

“Uma amiga me mostrou o vídeo e, na hora, liguei pra minha irmã. Ela chorou muito porque, além de relembrar o trauma, o rosto dela aparece e ela está toda nua. É um constrangimento”.

AFASTAMENTO

Após a repercussão do vídeo, a secretaria decidiu solicitar o afastamento do médico do quadro do Instituto de Ginecologia e Obstetrícia do Amazonas (Igoam), que presta serviços nos hospitais da rede pública estadual do Amazonas. 

A pasta alega que só tomou conhecimento do caso por meio da imprensa na última terça-feira (19) uma vez que não foram feitas denúncias nem na maternidade nem na ouvidoria da secretaria à época do ocorrido. Ainda segundo a Susam, um processo administrativo para apurar uma outra denúncia de negligência contra o obstetra já havia sido instaurado. 

“A Susam não está de acordo com o tipo de conduta praticada pelo médico. Por este motivo,  o vice-governador e secretário de estado de Saúde, Carlos Almeida, irá solicitar à direção do Instituto de Ginecologia e Obstetrícia do Amazonas (Igoam), empresa ao qual o profissional é cooperado, o seu afastamento. E também reiterar pedido de providências ao Conselho Regional de Medicina (CRM)”, informa nota divulgada pela pasta. 

O Conselho Regional de Medicina do Estado do Amazonas (Cremam) também informou, por meio de nota, que vai instaurar uma sindicância. O Cremam alega que também só tomou conhecimento do caso após veiculação do vídeo pela mídia, na terça-feira (19). 

Após a sindicância, se forem constatadas irregularidades, pode ser aberto um Processo Ético Profissional, que pode resultar na cassação do registro do médico. 

A reportagem tentou localizar o médico e seu advogado, sem sucesso. 

Segundo informações do Tribunal de Justiça do Amazonas (TJ-AM), além da condenação ocorrida em maio de 2018, o médico aparece também como parte requerida em um processo de erro médico, foi denunciado por crime de perigo à vida ou saúde de outrem e, ainda, como réu em um quarto processo pelo crime de corrupção passiva. Todos os casos estão tramitando na Justiça.

 
Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.