Descrição de chapéu Centro

Crianças de escolas públicas são barradas em shopping de elite em SP

Grupo havia viajado 200 km para ver mostra infantil; entrada foi liberada após negociação

São Paulo

Um grupo de 120 crianças de escolas municipais de Guaratinguetá (SP) foi barrado na última segunda (18) na entrada do shopping JK Iguatemi, na capital paulista, por uma funcionária de uma ONG que fazia uma exposição no local. 

O grupo saiu de Guaratinguetá e percorreu quase 200 quilômetros até o shopping, na Vila Olímpia, zona oeste de SP, para assistir à exposição Mickey 90 anos, organizada pela ONG Orientavida. Eles ganharam a viagem como prêmio da secretaria de Educação da cidade.

Foto mostra túnel do tempo com diferentes desenhos do personagem Mickey, da Disney, ao longo dos anos
Exposição Mickey 90 Anos, no shopping JK Iguatemi, em São Paulo - Divulgação

​Jozeli Gonçalves, diretora da escola municipal Professora Francisca de Almeida Caloi, que fica na zona rural da cidade, relatou em rede social que o grupo chegou ao shopping antes do horário marcado para a exposição. Eles queriam comer na praça de alimentação e fariam uma atividade pedagógica, que incluía comparar a estrutura do local ao centro de compras de Guaratinguetá.

Ao chegar lá, porém, uma mulher que se identificou como Beatriz afirmou que não poderia recebê-los porque aquele seria um shopping “elitista”, disse que “não tinha nada” para as crianças comerem e afirmou ainda que o local estaria lotado. A mulher os orientou a ir a uma lanchonete em uma esquina ou ao Parque do Povo, que fica na região, “pois nossa presença fora do horário geraria problemas a ela com os seguranças do shopping”, relatou Jozeli.

Foi preciso intervenção da Secretaria de Educação de Guaratinguetá para que os estudantes pudessem entrar no local.

“Um fator que chamou a atenção dos envolvidos é que uma das escolas chegou antes com as crianças e entrou normalmente no local. No grupo que foi barrado, tanto a diretora quanto várias crianças são negros”, disse Jozeli.

A prefeitura de Guaratinguetá afirmou que “repudia veementemente qualquer ato de discriminação, preconceito e racismo.” Em nota, disse estar em contato com a direção do shopping e com a organização da exposição “para avaliar as providências necessárias”. Afirmou ainda que as diretoras dos colégios que se sentiram constrangidas “têm total liberdade para tomarem as providências que acharem cabíveis individualmente”.

O shopping JK afirmou, por nota, que “solicitou à direção da ONG, responsável pelo evento, que reforce o treinamento com sua equipe de recepcionistas da exposição”. “O empreendimento reforça que não compactua com a atitude tomada pela colaboradora da mostra e ressalta que trabalha continuamente para que todos os clientes sempre se sintam acolhidos e bem-vindos.”

A ONG Orientavida diz que os alunos estavam no local a convite da ONG e que o episódio foi “isolado e pontual”. “A entidade reforça que todos são bem-vindos na mostra”, diz a entidade. “A partir do momento que teve conhecimento do caso, tomou as medidas necessárias para que tal situação não mais ocorra, e a funcionária não faz mais parte do quadro.”

A ONG atua há 20 anos em projetos de inclusão no país. Segundo a empresa, 2.000 crianças de escolas públicas foram à exposição do shopping JK, e 3.800 ingressos foram doados a comunidades pobres de SP.

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.