Descrição de chapéu Rio de Janeiro

Denúncias contra milícias no Rio crescem 87% em cinco anos

Grupos estão atuando em mais ramos, o que pode explicar aumento das ligações

Ana Luiza Albuquerque
Rio de Janeiro

As denúncias contra as milícias que atuam no estado do Rio de Janeiro aumentaram 87% em cinco anos, segundo levantamento produzido pelo Disque Denúncia a pedido da Folha.

De janeiro a março de 2014, foram 864 denúncias no estado, sendo 637 na capital. No primeiro trimestre de 2019, foram 1.614, sendo 1.140 no Rio de Janeiro. 

Para José Claudio Alves, sociólogo e professor da Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro, os números revelam uma maior expressão da atividade das milícias, que passaram a atuar em ramos diferenciados. 

Se antes esses grupos paramilitares tinham a venda de segurança, de gás e de acesso à TV por assinatura —o conhecido "gatonet"— como suas principais receitas, nos últimos anos os negócios se expandiram.

Os milicianos estenderam seus tentáculos e hoje cobram taxas de pescadores e de mototáxis, por consultas em hospitais e até para enterrar o lixo em aterros construídos por eles. 

Os imóveis irregulares, como os dois prédios que caíram em abril na comunidade da Muzema, na zona oeste da capital, representam outra perna da sustentação financeira do grupo.

"[As milícias] passaram a ampliar taxas do comércio para setores muito pequenos, que antes não eram atingidos, como cabeleireiros, manicures... Estão pulverizando muito", diz Alves, que estuda o tema há 26 anos. 

Segundo o professor, a estratégia das milícias é extorquir pouca quantidade de muita gente para camuflar suas atividades. A estratégia, no entanto, pode estar falhando à medida que a população, incomodada, passa a denunciar as extorsões.

"Tem a população reagindo, uma população carente que vê no pequeno negócio a sobrevivência, numa época de desemprego pesado. Muitas histórias de pessoas desistindo, recuando, por causa da milícia", afirma Alves.

 

Em 2017, as milícias foram denunciadas 3.611 vezes ao Disque Denúncia. Um ano depois, este número pulou para 6.357 —um aumento de 76%.

O relatório mostra que o ritmo das denúncias se intensificou ainda mais em 2019. Neste ano, até o dia 12 de maio (último dado disponibilizado pelo Disque Denúncia), já haviam sido computadas 2.434 denúncias, mais do que o total de registros, por exemplo, em todo o ano de 2016 (2.418).

O professor sugere, ainda, que o aumento da visibilidade em torno do tema também tem encorajado a população a resistir. "Já chegaram informações de pessoas que querem fazer denúncias contra milícias em função do que viram no caso Marielle [Franco, ex-vereadora assassinada em 2018]", diz.

Alves lembra, também, que a expansão do número de denúncias não dá conta de representar a intensidade da atuação desses grupos. "Para cada um que denuncia, quatro, cinco não vão denunciar, por conta do grande medo."

O sociólogo Ignacio Cano, coordenador do Laboratório de Análise da Violência da Uerj, concorda que os números indicam que as milícias passaram a incomodar tanto a população que as pessoas decidiram denunciá-las, apesar do medo de represálias.

"As pesquisas que a gente fez [mostram que] as pessoas têm pânico da milícia. É muito mais difícil conseguir um depoimento sobre milícia do que sobre o tráfico. O fato de denunciarem, apesar do medo, é outro indicativo de que [as milícias] estão incomodando e que as pessoas estão tentando fazer alguma coisa", diz.

Além do Rio de Janeiro, as cidades com o maior número de denúncias ficam na Baixada Fluminense: Nova Iguaçu, Duque de Caxias e Belford Roxo. São municípios de estrutura precária, com deficiência de políticas habitacionais e forte desemprego.

Itaboraí, na Região Metropolitana, apareceu na lista pela primeira vez em 2018, com 137 denúncias. Em 2019, os números seguem crescendo. Até o último dia 12 de maio, já haviam sido registrados 58 chamados ao Disque Denúncia. Com isso, passou a ser a quinta cidade no estado com mais denúncias.

Os números acompanham uma situação irregular no município que chegou ao conhecimento de Alves. De acordo com ele, a milícia está atuando no local como mediadora entre empreiteiras e trabalhadores no contexto da retomada das obras do Comperj (Complexo Petroquímico do Estado do Rio de Janeiro), que haviam sido suspensas em 2015. 

Há informações de que grupos paramilitares estão cobrando taxas dos trabalhadores contratados para atuar na construção. 

"Onde tem grana circulando esses caras [milicianos] vão ter informação direta. Faz parte da lógica da milícia, seguir o mercado em expansão", afirma o sociólogo.

As denúncias em São Gonçalo, cidade vizinha, triplicaram de 2017 para 2018, saltando de 28 para 82. Alves ressalta que o tráfico de drogas é intenso no município e que as milícias negociam com a facção Terceiro Comando Puro. 

O TCP, como o grupo é conhecido, disputa territórios da região com o Comando Vermelho, com quem as milícias mantêm conflito aberto.

"Agora [as milícias] deram para operar também, não sei se com a droga em si, operam com facções, principalmente o TCP. Negociação, mesmo, do uso de espaços como boca de fumo e tudo mais. A milícia está acompanhando e seguindo a lógica da grana na periferia", afirma.

Segundo ele, informações sobre o crescimento do tráfico em São Gonçalo funcionam como um termômetro para a atividade da milícia. "[A milícia] vai dizer: tem uma movimentação econômica forte aqui, tem mercado para consumir, tem grana em movimentação."

Na capital, os bairros com o maior número de chamados estão concentrados na zona oeste. Na contagem de 2019, Jacarepaguá aparece em primeiro (100), seguido por Santa Cruz (73) e Campo Grande (70). A Liga da Justiça, milícia mais forte do estado, atua na região. 

Com 60 denúncias, Cascadura é o único bairro da zona norte que figura entre aqueles com o maior número de denúncias. Nenhum bairro da zona sul entrou na listagem.

O levantamento também mostra que em 2015 e 2016 houve queda no número de denúncias contra as milícias, mas que, no ano seguinte, teve início um crescimento que continua em curso. 

A quantidade total de denúncias e a quantidade de denúncias contra o tráfico de drogas também caíram entre 2014 e 2016 e voltaram a crescer a partir de 2017. Ainda assim, em 2018, os números foram menores do que os contabilizados em 2014, em oposição ao que ocorreu com as denúncias contra as milícias. 

Em 2014, o Disque Denúncia recebeu 132.814 chamados, sendo 65.190 contra o tráfico. Em 2018, foram 114.707, sendo 45.052 contra o tráfico. Isso indica que o forte crescimento das denúncias contra as milícias a partir de 2017 pode ser explicado particularmente pela expansão da atuação deste grupo criminoso.

Erramos: o texto foi alterado

Galeria de imagens que acompanha esta reportagem afirmava erroneamente que as fotos se referiam a prédios na Muzema, quando na verdade mostra imagens de vários bairros do Rio de Janeiro. A informação foi corrigida.

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.