Grupo de filantropos doa R$ 1 milhão para formação digital em bibliotecas do país

Movimento Bem Maior e ONG Recode abrem ainda chamado por mais R$ 1 milhão em doações

São Paulo

Criado em maio com a missão de levar a outro patamar a cultura de doações no Brasil, o Movimento Bem Maior acaba de formalizar o financiamento de R$ 1 milhão para uma iniciativa de formação digital em bibliotecas.

As ações serão desenvolvidas pela organização social Recode, que já atua na área. Junto com o aporte, as duas entidades abriram um chamado para pessoas doarem mais R$ 1 milhão para ampliar o alcance do projeto, em um “matchfunding” (algo como financiamento combinado, em inglês).

Projeto de formação digital desenvolvido em biblioteca pela ONG Recode em biblioteca no Maranhão
Projeto de formação digital desenvolvido em biblioteca pela ONG Recode em biblioteca no Maranhão - Divulgação

Ainda pouco usado no Brasil, o mecanismo une, em prol de uma iniciativa, o financiamento feito por indivíduos ao realizado por alguma instituição ou empresa.

O Movimento Bem Maior foi fundado pelo filantropo bilionário Elie Horn, dono da construtora Cyrela,  por Eugenio Mattar, da Localiza, pelo apresentador Luciano Huck e por Rubens Menin, da MRV. Sua meta é dobrar o volume de doações no Brasil em relação ao PIB (Produto Interno Bruto) em dez anos.

O investimento nas bibliotecas envolve ainda a Fundação Bill & Melinda Gates, que apoia o projeto da Recode desde o início, em 2015.

Entre as ações desenvolvidas, está a formação de profissionais para uma atuação conjunta com comitês de jovens em bibliotecas públicas e comunitárias.

Eles deverão elaborar uma programação com foco em tecnologia, empreendedorismo e desenvolvimento de habilidades socioemocionais como comunicação, colaboração e resolução de problemas.

A ONG estima que, a cada R$ 50 mil doados, cem jovens serão impactados.

O edital para bibliotecas interessadas em participar da ampliação do programa será aberto ainda neste mês. Para se candidatar, elas devem ser públicas ou comunitárias, ter CNPJ válido e ao menos dois computadores com acesso à internet para uso dos frequentadores. 

“Estamos aqui para fazer o bem. A parceria com a Recode e Fundação Bill e Melinda Gates é para transformar vidas e abrir portas para mais gente que também quer fazer o bem”, diz Horn.

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.