Governo do Rio investiga se policiais foram a hospital buscar bala que matou Ágatha, 8

Após reportagem da Veja, secretarias de Saúde e Segurança apuram ocorrido; Witzel promete punição

Rio de Janeiro

O governo do Rio de Janeiro investiga se policiais militares invadiram o hospital onde a menina Ágatha Vitória Félix, 8, foi internada para encontrarem a bala que acabou por matá-la.

A busca pelo projétil não teria sido frutífera porque a equipe médica se recusou a entregá-lo, segundo reportagem da revista Veja. 

Pouco após a reportagem ser publicada, nesta quinta (3), o governador do estado, Wilson Witzel, declarou que "tudo será apurado com rigor". 

"Sobre a informação de que policiais militares teriam tentado pegar a bala que atingiu a menina Ágatha, minha posição é firme: tudo será apurado com rigor. Os fatos, se comprovados, são inadmissíveis. Os culpados serão punidos", escreveu Witzel em rede social.

Ágatha, 8, estava a bordo de uma kombi, com sua mãe, no complexo do Alemão (zona norte carioca), quando foi atingida por um projétil de fuzil no último dia 20. Familiares e testemunhas afirmam que o disparo partiu de um dos policiais que estava no local; a polícia disse que atirou após ter sido alvo de disparos vindos de supostos agressores.

A perícia comprovou que a bala saiu de um fuzil, mas, segundo investigadores, não pode determinar de qual fuzil —se da polícia— por ter tido partes pulverizadas.

Já o veículo foi lavado antes dos peritos chegarem. O motorista da kombi não foi orientado sobre o que fazer e teria limpado o sangue de Ágatha.

Procurada pela Folha, a PM disse, por meio de sua assessoria de imprensa, que a presença de policiais em unidades de saúde "checando informações sobre a entrada de vítimas de disparos de arma de fogo faz parte das rotinas de atuação das equipes durante o serviço". 

Afirmou, ainda, que "possíveis condutas inapropriadas" por parte de PMs "são objeto de apuração do Inquérito Policial Militar instaurado pela PMERJ e das investigações da Delegacia de Homicídios da Capital sobre o caso". 

Também questionada, a Polícia Civil informa que "não há nada nos autos sobre o fato citado". De acordo com a Veja, a Delegacia de Homicídios, sob guarda da força civil, estaria tentando convencer integrantes da equipe médica a depor sobre a invasão. Não haveria imagens da cena, e os profissionais de saúde estariam receosos de falar abertamente, por temer algum tipo de retaliação.

Já a direção do Hospital Estadual Getúlio Vargas, para onde Ágatha foi levada, afirma que a munição que matou a criança "ficou preservada na unidade desde o momento da entrada da paciente até o recolhimento do projétil pelas autoridades que conduzem a investigação". 

Na quarta (1), a Folha mostrou que policiais envolvidos na morte de Ágatha contrariam versão inicial da PM sobre o episódio. Na véspera, só dois dos 11 agentes envolvidos participaram da reconstituição do assassinato.

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.