Ceará tem 122 homicídios em apenas quatro dias de paralisação de policiais

Média foi de 30,5 por dia, contra 8 do mês de janeiro; no interior, corpos de homem de 39 anos e de filha de 1 foram encontrados

Fortaleza

O número de homicídios no Ceará chegou a 122, em uma média diária de 30,5, nos quatro dias de paralisação de parte dos policiais militares. O sábado (22) de Carnaval teve 34 assassinatos. Na quarta-feira, foram 29, na quinta, 22, e, na sexta, o número chegou a 37.

O mês todo de janeiro teve 261 homicídios, uma média de pouco mais de oito por dia. Em fevereiro de 2019, foram 164 homicídios, uma média de menos de seis por dia —em 2020, já são 286 no mesmo mês. Na segunda-feira (17) antes do início da paralisação houve três homicídios e, na terça (18), dia em que os policiais começaram a parar no início da noite, foram cinco.

Viaturas paradas em frente a batalhão em Fortaleza na quinta-feira (20)
Viaturas paradas em frente a batalhão em Fortaleza na quinta-feira (20) - José Leomar - 20.fev.2020/Diário do Nordeste/Folhapress

Na tarde de sábado, na cidade de Aracati (150 km de Fortaleza), um policial militar foi preso acusado de matar um homem de 21 anos. Aracati tem uma das mais conhecidas festa de Carnaval do Ceará e chegou a contratar agentes privados para fazer a segurança dos foliões.

Em Beberibe, a 80 km da Capital, os corpos de um homem de 39 anos e de sua filha de 1 ano e 11 meses foram encontrados na casa da vítima. A polícia informou que havia marcas de tiros nos dois.

O governo federal enviou ao Ceará, após pedido do governador, Camilo Santana (PT), agentes da Força Nacional e do Exército para ajudar no policiamento ostensivo nas ruas. São 2.500 homens do Exercito que começaram a atuar efetivamente neste domingo (23) —os 150 agentes da Força Nacional começaram a chegar na quinta-feira (20).

Na terça (18), o governo enviou à Assembleia o projeto de lei com o aumento da remuneração dos soldados da PM e Bombeiros de R$ 3.400 para R$ 4.500, parcelado em três vezes (pagamentos em março de 2020, março de 2021 e março de 2022). Parte dos profissionais não concordou e, na mesma noite, as paralisações começaram —eles querem receber tudo de uma vez e demandam também a criação de um plano de carreira para a categoria.

Camilo Santana (PT) afirmou que está fora de cogitação anistiar os profissionais que forem identificados participando do motim —167 policiais militares suspeitos de integrarem o movimento foram afastados das funções e terão que devolver armas, algemas e distintivos. Também estarão fora da folha salarial no período. Outros 77 foram considerados desertores por não aparecerem para trabalhar em operação especial do Carnaval em cidades do interior.

Na quarta (20), os protestos chegaram ao cenário nacional depois que o senador licenciado Cid Gomes (PDT-CE) levou dois tiros ao tentar invadir dirigindo uma retroescavadeira o quartel tomado em Sobral (270 km de Fortaleza), sua base eleitoral. Ele recebeu alta na manhã deste domingo (23).

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.