Descrição de chapéu Coronavírus

Sem poder tocar em bares, músico passa a fazer serenatas em frente de prédios

Repertório do baiano Ray Nery inclui músicas de Roberto Carlos e de Adoniran Barbosa

São Paulo

Nascido em Juazeiro, município na Bahia, Ray Nery, 28, decidiu se mudar para São Paulo em meados de março.

Músico desde os 12 anos, Nery conta que toca cerca de 20 instrumentos e que seu plano inicial na metrópole paulistana era tocar em barzinhos e eventos particulares, assim como fazia em sua cidade natal.

Porém, nada disso foi possível devido à quarentena decretada poucos dias depois de sua chegada à capital. Ele começou, há um mês, a tocar saxofone nas ruas agora vazias da cidade.
“A pandemia começou e fiquei sem trabalhar”, lembra ele.

Diante o cenário, ele resolveu pegar o saxofone e, sem pretensões, parou em uma esquina na Lapa e começou a tocar. “Quando terminei, estava embaixo de um prédio, e recebi muitos aplausos, isso não tem preço”, disse ele.

A partir de então, começou a ser contratado para fazer serenatas para quem quer prestar homenagens a aniversariantes e até a recuperados do coronavírus. Ele prefere não revelar quanto custa sua apresentação.

“Uma senhora entrou em contato comigo e eu fui tocar em frente à casa de um senhor que foi intubado e conseguiu vencer a Covid-19”, disse. Nesse dia, ele lembra que, enquanto homenageava o recuperado, um morador de rua deu algumas moedas para ele. “Eu achei isso um ato muito nobre.”

O músico Ray Nery, 28, que veio da Bahia para São Paulo e agora faz serenatas pela cidade
O músico Ray Nery, 28, que veio da Bahia para São Paulo e agora faz serenatas pela cidade - Reprodução/Instagram

A divulgação do trabalho do músico passou a ser feita pela sua recém-criada conta no Instagram. “Antes eu não conseguia divulgar muito meu trabalho, não curtia muito as redes sociais, mas as pessoas que começaram a falar para eu criar uma página, ainda tenho poucos seguidores.”

Ele diz que as filmagens dele tocando na cidade são feitas, em sua maioria, por pessoas que estão passando na rua no momento ou por aqueles que o contratam. “Toco na frente de muitos prédios, normalmente, alguém desce e faz fotos minhas.”

O repertório de Nery começa, quase sempre, com “Como É Grande o Meu Amor por Você”, de Roberto Carlos, e termina com “Trem das Onze”. Ele diz que se identifica com a letra de Adoniran Barbosa. “Moro na zona norte, com a minha mãe e, apesar de ter irmãos, só eu moro aqui, então sou filho único”, diz ele parafraseando a música.

Mesmo com alguns eventos privados na agenda, ele conta que as performances na rua são o que mais ocupam sua agenda e cita alguns bairros que têm frequentado, como Lapa, Moema e Barra Funda.

Sem hora para começar ou terminar, ele diz que essa a forma de trabalhar é “muito mais emocionante”. “Eu saio de casa sem saber onde vou tocar, quanto vou ganhar, dá um frio na barriga que eu não estava habituado”, diz.

Durante a pandemia, ele afirma que tem tomado cuidados para não correr o risco de levar uma doença para casa. “Moro com a minha mãe e meu padrasto que são idosos, então uso máscara, menos quando estou tocando, e ando com álcool gel.”

Mas nem sempre a recepção do público é positiva; há situações inusitadas. Na região da Barra Funda, ele estava tocando quando um morador de rua jogou dois ovos crus em sua direção.

Nery ri com a lembrança e parece não se abalar: “Vai saber porque que ele fez isso, né?”. Sua reação foi levar a situação na brincadeira e dizer “rapaz, pena que tava cru, porque se esse ovo estivesse quentinho, teria passado uma farinha e comido’”.

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.