Designer usa quarentena para dar cor a fotos históricas de Santos

Imagens viralizam e despertam nostalgia em moradores

Santos

Uma imagem da Ponta da Praia, bairro de alto padrão da orla de Santos, no litoral paulista, tomada por verde, ruas de terra e com prédios ainda contados a dedo mudou a rotina do designer gráfico Bruno Arena, 30, durante a quarentena devido a pandemia de Covid-19.

Ele deu cores reais a uma foto histórica da década de 1960, ainda com o bairro em desenvolvimento, e encontrou uma espécie de desafogo mental em meio ao período de isolamento social.

O conteúdo viralizou com mais de 1.600 compartilhamentos em uma rede social e gerou comentários nostálgicos, com pessoas identificando antigas casas em que moraram e contando suas histórias.

Imagem aérea da Ponta de Praia na década de 60, colorizada digitalmente - Bruno Arena/Divulgação

“Realmente me empolga o fato de as pessoas gostarem, mas não tenho uma ambição financeira com isso, pois é uma outra linha de trabalho. Chamo isso, aliás, de higiene mental. Tenho um filho de cinco meses que não viu nem o que é o mundo fora ainda”, disse à reportagem.

O mesmo trecho da orla, atualmente, é cercado por arranha-céus e passou por amplo processo de reformas e modernização, com investimentos de pouco mais de R$ 130 milhões custeados pela iniciativa privada por meio de compensação ao município exigida por lei.

A remodelação, chamada de “Nova Ponta da Praia”, visou transformar o lugar em uma referência para o turismo na cidade e na região.

A ideia do designer surgiu quase sem querer, ele conta. Inicialmente, para atender a um tradicional clube da cidade, cliente da produtora em que trabalha desde 2011.

“Tínhamos elaborado uma campanha completa para novos sócios, mas veio a quarentena e todo o material produzido caiu. Estava procurando por fotos e encontrei uma da orla, que pegava um trecho do clube. Pensei: por que não colorir? Passei a usar o tempo livre para fazer isso”, conta.

A primeira foto em que trabalhou, de 1930, retrata uma visão quase limpa da orla da praia do bairro José Menino, também sem nenhum prédio ou grande construção.

O local hoje abriga realidade bem diferente, um parque e uma plataforma do emissário submarino, conhecido reduto de surfistas da cidade e praticantes de esportes, inaugurado em 1978.

Após a carga diária de trabalhos, Bruno dedica entre três a quatro horas a revitalizar fotos antigas. Desde que iniciou, já foram cerca de 15 trabalhos concluídos. O principal deles, da Ponta da Praia, precisou de quase 14 horas para ficar pronto.

Para dar cores a imagens antigas ele conta que primeiro busca referências atuais do lugar. Se não tem, faz uma leitura das variações de preto e branco, baseadas em técnicas que aprendeu como ilustrador. Nas fotografias, cada elemento é colorido um a um e passa por variados processos.

“Essa imagem da Ponta da Praia, por exemplo tinha muitas vegetações, telhados, ruas de paralelepípedos e terra. Vamos agrupando tudo por elementos, é como um quebra-cabeças e um processo bem longo”, resume.

Foto colorizada do Aquário Municipal de Santos, em meados da década de 40, na época da inauguração - Bruno Arena/Divulgação

Outros trabalhos produzidos pelo designer também têm chamado atenção. Em um deles, deu cores a uma foto da fachada do Aquário Municipal de Santos da década de 40, na época de sua inauguração. O equipamento, localizado em frente à praia, também no bairro da Ponta da Praia, é o aquário público mais antigo do país.

Há fotos ainda mais antigas, como a de trabalhadores no porto, de 1889, em que precisou restaurar até mesmo desgastes do tempo como furos e borrões.

Embarque de café no Cais do Valongo em 1889, no Porto de Snatos, antes e depois da colorização de foto de Marc Ferrez - Bruno Arena/Divulgação

Desde que iniciou, ele já recebeu diversos pedidos particulares para dar cores a fotos antigas de famílias, mas ainda não pensa em atender as demandas.

“Não conseguiria ainda dar um preço a isso. O meu trabalho é mais para levar as pessoas a lembrarem de algo bom, de momentos bons em uma época tão difícil”, conta.

“A partir das fotos vêm muitas histórias. Já ouvi muitos relatos”, completa.

A maior parte das fotos tratadas é do acervo do site Memória Santista, do jornalista e escritor Sergio Willians, presidente do Instituto Geográfico de Santos, cedidas para os trabalhos.

Até que acabe a quarentena ele diz que seguirá com o novo desafogo para a mente. O novo projeto de restauração, conta, ele guarda como surpresa.

Bairro do José Menino, em Santos, na década de 30. Ao fundo se vê a Ilha Urubuqueçaba e, à beira do mar, o Hotel Internacional, que ficava onde hoje se encontram os edifícios do 'pé na areia' - Bruno Arena/Divulgação

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.