Consórcio oferece R$ 112 milhões por concessão do Mercadão de SP por 25 anos

Proposta ainda será analisada pela gestão Covas; empresa terá de operar e reformar espaço

São Paulo

A gestão Bruno Covas (PSDB) abriu nesta quinta-feira (2) as propostas para a concessão do Mercado Municipal Paulistano por 25 anos. A maior oferta foi de R$ 112 milhões.

A proposta é para administrar o mercadão e o Mercado Kinjo Yamato, também no centro da capital paulista.

De acordo com a prefeitura, a outorga mínima fixada era de R$ 30,6 milhões, o que gera um ágio de 266%.

A prefeitura diz que o benefício financeiro é de R$ 225 milhões, incluindo investimentos em equipamentos, outorgas e pagamento de impostos.

O consórcio Novo Mercado Municipal apresentou a melhor proposta. Ele é composto pelas empresas Brain Realty Consultoria e Participações e Mercado Municipal de SP (fundo de investimento).

Outros dois consórcios fizeram propostas, o Consórcio Mercado Novo SP, com proposta de R$ 63 milhões, e o Consórcio Novo Mercadão, de R$ 53,6 milhões.

A comissão de licitação agora terá que analisar a documentação e, após prazo de cinco dias para recursos, a prefeitura pode publicar o resultado da primeira fase. Há ainda uma segunda fase, em que a Comissão de Licitação marcará a sessão de abertura do envelope de habilitação.

A concessão prevê a reforma dos dois mercados, além da exploração comercial, operação e manutenção. O vencedor terá que investir ao menos R$ 83 milhões em obras como melhoria da estrutura de sanitários, iluminação, restauro de danos à fachada, adequação para acessibilidade.

A empresa deverá manter o projeto original do espaço e todas as mudanças deverão ser aprovadas por órgãos do Patrimônio Histórico.

O concessionário deverá também pagar uma outorga variável anualmente, cuja alíquota varia entre 5% e 10% da receita bruta.

Hoje, os locatários atuam em sistema de boxes, com pagamento mensal pelo local que usam. Após a concessão, os que quiserem permanecer pagarão ao concessionário o mesmo valor durante os primeiros 24 meses.

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.