Descrição de chapéu Coronavírus

Reabertura da economia acontece de forma gradual na maioria das cidades

Levantamento com 81 municípios mostra como ocorre a retomada das atividades pelo país

Porto Alegre , Salvador , Ribeirão Preto, Belo Horizonte, Rio de Janeiro, Recife, Curitiba , Manaus e Rio de Janeiro

Aberto, mas nem tanto. Fechado, mas funcionando. Diante da pandemia, mas também do medo de seus comerciantes irem à falência, cidades brasileiras tentam fazer uma ginástica para reabrir comércios, lojas, bares, restaurantes, salões de beleza e academias sem impactar a capacidade de leitos hospitalares para pacientes com Covid-19.

A Folha mapeou 81 municípios, entre capitais e cidades populosas ou sedes de região, para apontar quais mantiveram o comércio e os serviços funcionando, quais voltaram atrás e baixaram as portas e aqueles que nem sequer se arriscaram em reabrir.

Em quase todos os casos de reabertura, há limitações. Há restaurantes que funcionam poucas horas; alguns, só com agendamento ou sem permitir venda de bebida alcoólica.

De maneira geral, comércios precisam limitar número de clientes, garantir distanciamento social e oferecer itens de segurança, como álcool em gel, além da obrigação da máscara. O delivery tem sido a alternativa para boa parte dos empresários, do setor de vestuário ao de alimentação.

No interior paulista, as decisões sobre fechamento geraram embates entre o governo estadual e prefeituras, que chegaram a abrir o comércio, mas recuaram --na maioria das vezes, após ações judiciais.

No Sul, Porto Alegre e Florianópolis, adotaram medidas rígidas para controlar a proliferação do novo coronavírus já no início da pandemia.

Em Curitiba, porém, estabelecimentos não foram obrigados a fechar --alguns fecharam por conta própria e reabriram em abril. Há cerca de um mês, a prefeitura adotou um sistema de bandeiras para abertura do comércio, atualmente em risco médio. A cidade também segue a "quarentena rígida" determinada pelo governo estadual.

Mais recentemente, Porto Alegre voltou a endurecer as normas depois da reabertura controlada pelo modelo de bandeiras estadual. E diante do aumento de casos, Florianópolis ainda permite atividades econômicas, mas endureceu restrições, como a multa para quem não usa máscara.

O comportamento nos estados do Centro-Oeste do país não foi uniforme. Enquanto Mato Grosso e Mato Grosso do Sul não baixaram decretos de fechamento do comércio, Goiás fechou tudo, mas depois flexibilizou e passou a dividir a responsabilidade com os municípios.

Em Cuiabá, a prefeitura fechou o comércio, assim como Campo Grande. Depois as regras foram flexibilizadas aos poucos. Já Goiânia seguiu as decisões do governo do estado e chegou a reabrir o comércio, que agora está fechado.

Depois de enfrentar um colapso de sistema de Saúde ainda no início da pandemia, o Ceará iniciou o seu plano de reabertura em 1º de junho após uma queda nos novos casos da Covid-19. Na época da primeira fase da abertura, na qual foi autorizado o funcionamento de parte do comércio, o estado estava com uma ocupação de 88% dos leitos públicos de UTI (Unidade de Terapia Intensiva).

Com a redução do número de casos graves da Covid-19, o estado iniciou a segunda fase do seu plano de reabertura da economia em 20 de junho, com o retorno do funcionamento de igrejas e restaurantes. Por outro lado, cidades do interior do estado, como Sobral e Juazeiro do Norte, ainda enfrentam isolamento rígido após uma escalada de casos.

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.