Covas tem diagnóstico de novo nódulo no fígado e volta para quimioterapia

Prefeito interrompeu imunoterapia para iniciar novo tratamento; ele ficará internado até sábado (20)

  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

São Paulo

O prefeito de São Paulo, Bruno Covas (PSDB), recebeu diagnóstico de um novo nódulo no fígado, segundo comunicado emitido nesta quarta-feira (17). Por isso, o tratamento de imunoterapia foi interrompido e ele voltou à quimioterapia.

Segundo o comunicado, ele foi internado no Hospital Sírio-Libanês na terça (16) para realizar exames de controle relativos ao tratamento contra um câncer no trato digestivo.

"Os exames de imagem realizados nesta quarta-feira (17) evidenciaram sucesso da radioterapia no controle dos linfonodos, próximos ao estômago. Foi detectado também o surgimento de um novo nódulo no fígado, cuja presença enseja ajuste no tratamento", diz o comunicado.

Ainda de acordo com o comunicado, a imunoterapia será interrompida para o início da quimioterapia "Inicialmente estão prescritas quatro sessões de 48 horas, com intervalos de 14 dias entre cada uma", diz a nota. Ao fim deste ciclo, serão realizados novos exames.

A quimioterapia já foi iniciada nesta quarta (17). Por isso, Covas continua internado até sábado (20).

Segundo o boletim, Covas está bem disposto, alimentando-se bem e recuperando peso após período de radioterapia.

O prefeito já havia feito tratamento com quimioterapia e a metástase no fígado havia desaparecido. Permanecia um câncer na cárdia, entre o esôfago e o estômago.

Em outubro de 2019, exames apontaram o surgimento um tumor no trato digestivo do prefeito. Entre a data do diagnóstico e fevereiro de 2020, o prefeito fez oito sessões de quimioterapia. As lesões cancerígenas regrediram, mas não desapareceram por completo.

Desde fevereiro, ele passou a fazer uso da imunoterapia.A imunoterapia, que normalmente dura dois anos, tem revolucionado o tratamento de vários tipos de câncer. No caso de Covas, além do tumor na cárdia, foram detectadas lesões no fígado e nos linfonodos ao lado do estômago.

Esse tipo de terapia, que foi interrompido, não visa atacar as células do tumor, como na quimioterapia convencional, mas sim estimular as células de defesa do organismo para que elas combatam a doença.

  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.