Descrição de chapéu Obituário Gilmar de Carvalho (1949 - 2021)

Mortes: Sábio e amigo, marcou a história e cultura do Ceará

Gilmar de Carvalho morreu de Covid-19, aos 71 anos

  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

São Paulo

Ética, afeto e sabedoria são três palavras que definem bem o cearense de Sobral, Gilmar de Carvalho.

Ele morreu dia 17 de abril, aos 71 anos, por complicações de Covid-19.

Gilmar era encantador. Discreto e atencioso, sabia como acolher as pessoas e os momentos de expor um traço fino de sua personalidade: uma ironia límpida e cortante, como define o jornalista Daniel Fonseca, 38, amigo há 20 anos.

Gilmar entrou na faculdade de Direito para atender a um desejo da família, mas seu coração pulsava pela comunicação. Decidiu levar os dois cursos ao mesmo tempo. Em 1971, formou-se no primeiro e no ano seguinte em Comunicação Social, ambos na UFC.

Gilmar de Carvalho (1949-2021)
Gilmar de Carvalho (1949-2021) - Reprodução/Facebook do ADUFC (Sindicato dos Docentes das Universidades Federais do Estado do Ceará)

Gilmar passeou pelo jornalismo e pela publicidade. Trabalhou nas duas principais agências do Ceará, Mark e Scala, nos anos 1970.

Obteve o título de Mestre em Comunicação Social pela Universidade Metodista de São Paulo, em 1991, e doutor em Comunicação e Semiótica pela PUC (Pontifícia Universidade Católica) de São Paulo, em 1998.

Foi Professor do Departamento de Comunicação Social e integrante do Programa de Pós-Graduação em Sociologia da UFC, com interesse entre as relações entre a Comunicação e a Cultura. Especialista em cultura popular e biógrafo, publicou vários ensaios e livros, como “Patativa poeta pássaro do Assaré” e “Patativa do Assaré — antologia poética”.

“Gilmar leva consigo um Ceará que enxergava por inteiro. Era um amigo, um aliado da história, da arte e da cultura. Com ele, aprendemos o valor da amizade, a grandeza do mundo, o destemor diante da vida”, afirma a curadora Dodora Guimarães, de quem era amigo desde 1974.

“O Gilmar sempre foi comprometido com a defesa da justiça, da igualdade e com os projetos e reivindicações das maiorias sociais. Ele tinha uma clareza de pensamento muito grande”, diz Daniel.

Gilmar deixa o companheiro e parceiro em dezenas de trabalhos, Francisco Sousa.

coluna.obituario@grupofolha.com.br

Veja os anúncios de mortes

Veja os anúncios de missa

  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.